Não é sem indignação que lemos o noticiário a respeito da tragédia que ocorreu no Córrego do Feijão, em Brumadinho, Minas Gerais. Como há três anos, novamente, rompeu-se uma represa de rejeitos de minério. O cenário é apocalíptico. A maior perda são as vidas humanas ceifadas, mas a destruição se verifica em todo percurso por onde se estende o mar de lama. O elenco destes fatos permite fazer algumas reflexões.

Uma primeira conclusão é de que o sistema adotado para conter os rejeitos dos minérios não é confiável. Há três anos houve o desastre de Mariana, agora em Brumadinho. Não se pode ficar esperando, imóveis, que uma centena de barragens se rompam. O método deve ser revisto.

O sistema adotado é o que se chama “alteamento a montante”. Constrói-se degraus com o próprio material do rejeito. A barragem de Brumadinho começou em 1976 e tinha 86 metros de altura. O lodo que é amontoado com o tempo endureceria e assim garantiria o represamento. Acontece que esta represa não era usada há três anos e o lodo ainda não havia se solidificado. Não é possível que um empreendimento deste tamanho não tivesse uma segurança mais consistente.

O que aconteceu em Brumadinho não pode ser considerado um acidente. Era previsível e não foram tomadas as devidas providências. A responsabilidade não é só da empresa. Cabe ao Estado proteger os seus cidadãos. As autoridades devem assumir a tarefa de atender as famílias atingidas e tomar a responsabilidade de prevenir novas tragédias. De quanto é divulgado, os projetos de lei, que visavam maior segurança nas áreas de mineração, estão parados, tanto no Congresso Nacional, como na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Diante do acontecido, o presidente da Vale fez um pronunciamento sensato: “não se pode dizer que aprendemos a lição”. A lição que podemos tirar é que proteger a vida das pessoas e a conservação do meio ambiente tem um valor maior do que o lucro que se pode tirar da escavação das minas.

Por Dom Wilson Tadeu Jönck, scj
Artigo publicado na edição de fevereiro de 2018 do Jornal da Arquidiocese, pág. 02

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*