Mas, o que busca o cristianismo? Certamente tem como objetivo algo além de obrigações morais ou de construir “seres bonzinhos”. É certo que a vida cristã acontece no ser humano que tem, por natureza, vários desejos e interesses. Normalmente se concorda que ser cristão é ir além destas tendências naturais. Mas a que se propõe o cristianismo?

Quando nos consideramos “bons” é porque nos deixamos convencer de que buscamos um comportamento digno. Concordamos que o bem da sociedade tem direitos sobre o ser natural. É a moralidade. Há coisas que o ser natural deseja fazer que são consideradas “erradas” e é preciso abrir mão delas. E há coisas que o ser natural não deseja fazer e que são “certas”, então devemos fazê-las.

Quando se vê o cristianismo só como busca de uma moralidade pode acontecer algo assim: espera-se o tempo todo que os ideais nobres sejam alcançados, e assim o eu natural tenha alguma chance de realizar os seus desejos, isto é, de fazer o que bem entende. É como a pessoa honesta que paga os impostos na esperança que sobre algum dinheiro, suficiente para viver. Como se vê, o eu natural é tomado como ponto de partida.

A proposta cristã é diferente. Cristo diz “dê-me tudo”. Cristo não quer apenas uma parcela do nosso tempo, do nosso dinheiro, do nosso trabalho. Ele quer toda a nossa pessoa. Ele não veio para atormentar o nosso eu natural, veio para matá-lo. Ele não quer podar um ramo aqui, outro ali, quer derrubar árvore. Ordena que se renuncie a todos os desejos considerados maldosos, mas também àqueles considerados inocentes. Cristo quer substituir todo aparato por um novo ser. A nossa vontade deve tornar-se a sua. O cristão deve “revestir-se de Cristo”.

Pode parecer terrível, mesmo impossível, entregar todo nosso ser a Cristo. Mas Cristo diz que seu peso é leve e seu jugo, suave. É mais fácil do que aquilo que, muitas vezes, tentamos fazer, isto é, continuar sendo “nós mesmos” para manter a felicidade como o grande objetivo da vida. Tentamos fazer nossa mente, nosso coração seguir os seus caminhos, centrados no dinheiro, no prazer, na ambição e esperamos nos comportar de forma honesta, casta e humilde. Um espinheiro não é capaz de produzir figos.

Artigo publicado na edição de agosto de 2019 do Jornal da Arquidiocese, página 02

Por Dom Wilson Tadeu Jönck, sc

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*