Para falar de relacionamentos, Dom Bernardo Bonowitz, abade da Trapa de Campo do Tenente, serviu-se do conteúdo do livro de São Bernardo Claraval “Sobre os graus da humildade e da soberba”. Passamos a apresentar alguns tópicos.

Segundo São Bernardo, monge do século XII, a salvação depende da vivência de uma autêntica relação com o próprio eu, com os outros e com Deus. Para ser autêntica a relação deve se fundar sobre a verdade. A tarefa do ser humano é chegar à verdade sobre sua pessoa, sobre os outros seres humanos e sobre Deus.

Estas verdades não são idênticas. Devem ser buscadas de acordo com seu objeto e com método próprio. Assim, a verdade sobre nós mesmos é a humildade; a verdade que nos coloca em contato com o outro é a caridade; e a contemplação nos coloca em contato com a verdade sobre Deus. Sendo que, esta é recebida mais pela revelação do que pela investigação.

Para S. Bernardo, estas verdades devem ser procuradas segundo uma ordem. Se a verdade fundamental não for buscada por primeiro, a vida se torna uma mescla confusa de verdade e mentira. A primeira verdade a ser buscada é a humildade. É a que requer mais esforço. Alcançar a verdade sobre si mesmo é um caminho doloroso.

Vemos tudo pelo filtro que somos nós. Se o filtro está limpo vemos com clareza a nós mesmos, aos outros e também a Deus. Se o filtro estiver turvo, surgem as distorções e projeções sobre o outro e sobre Deus.

São Bernardo define a humildade: “é a virtude pela qual um homem, por meio do conhecimento sempre mais verdadeiro de si mesmo, diminui gradualmente em valor aos seus próprios olhos”. A tendência da pessoa humana vai na direção oposta, a de ter uma imagem cada vez mais grandiosa de si. Este caminho não leva à verdade, mas a um fingimento. Por outro lado, a verdade, que já está em nós, ficará se debatendo e lutará pelo direito de se expressar. Enquanto não fizer, não estaremos em paz.

 Para concluir: não somos tão importantes, tão corretos, tão puros, tão generosos… quanto gostaríamos de ser. Saber disso é infinitamente mais importante do que fingir sê-lo. Além disso, saber a verdade sobre nós mesmos é o único caminho para conhecer o outro na sua verdade e a Deus como ele é.

Por: Dom Wilson Tadeu Jönck, scj

Artigo publicado na edição de outubro de 2017, nº 239, do Jornal da Arquidiocese, página 02.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*