Neste ano de 2019 celebram-se 40 anos da publicação do Documento de Puebla. Trata-se do documento conclusivo da III Conferência Geral do episcopado latino-americano, realizada em Puebla de los Angeles, no México, nos dias 27 de janeiro a 13 de fevereiro de 1979, dedicada ao tema: “A evangelização no presente e no futuro da América Latina”.

Um pouco de história

O Papa Paulo VI a havia convocado para acontecer de 12 a 18 de outubro de 1978. Mas seu falecimento em 6 de agosto de 1978 fez com que a conferência fosse adiada, até ser reconvocada pelo recém-eleito papa João Paulo II. Em sua primeira viagem apostólica, o papa João Paulo II, além de encantar multidões em várias cidades do México, com seus gestos, discursos e homilias, inaugurou a conferência de Puebla com um discurso que ditaria a marcha dos trabalhos da reunião eclesial. O papa assinalou que os bispos deveriam tomar como ponto de partida as conclusões de Medellín (de 1968) e as indicações da Exortação Apostólica Evangelii Nuntiandi de Paulo VI (de 1975).

Documentos anteriores

Puebla prossegue a caminhada magisterial das conferências do episcopado latino-americano. A primeira conferência geral realizou-se no Rio de Janeiro de 25 de julho a 4 de agosto de 1955, quando também deu-se início aos trâmites da criação do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM), o que aconteceu oficialmente em novembro desse mesmo ano. A segunda conferência realizou-se em Medellín, na Colômbia, de 24 de agosto a 6 de setembro de 1968, que terminou com a publicação das notáveis Conclusões de Medellín (ou Documento de Medellín).

Documentos posteriores

Puebla é levada adiante pela quarta conferência, que aconteceu em Santo Domingo, na República Dominicana, no período de 12 a 28 de outubro de 1992, quando também se celebraram os 500 anos da evangelização do continente; concluiu-se com a publicação do Documento de Santo Domingo. Por fim, a quinta conferência realizou-se em Aparecida, de 13 de maio a 31 de maio de 2007 e publicou o conhecido Documento de Aparecida, que guia as atuais diretrizes pastorais e evangelizadoras da Igreja no continente latino-americano. Foi-se criando assim o que se chama de tradição latino-americana de ação pastoral e reflexão teológica.
No decorrer do primeiro semestre, vamos comentar aos poucos os principais conteúdos do Documento de Puebla.

Publicado na edição de fevereiro de 2019, do Jornal da Arquidiocese, página 05

Por Padre Vitor Feller

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*