Foto: Tom Pumford/Unsplash

Não há como viver neste mundo sem enfrentar os próprios medos. Já houve quem definisse o medo como a principal ameaça à construção do ser. Mas também é verdade que o confrontar-se com os seus medo é o caminho necessário para o amadurecimento humano. O medo é um sinal que aponta para algo além da situação vivida. E o que se encontra debaixo do medo é um tesouro que vale a pena ser descoberto.

Durante a vida toda pessoa terá que dar uma resposta ao medo de ser rejeitado, o medo de fracassar, o medo da solidão, o medo da morte, o medo da doença e da dor. A construção da pessoa madura passará pela qualidade de resposta a estes medos. Pode-se apontar algumas atitudes que não produzirão bom resultado: “não posso cometer erro algum para não ser desvalorizado”, “não posso passar vergonha para não ser rejeitado”.

A presença dos medos indica que eles têm um sentido na vida da pessoa. E que é preciso ultrapassá-los. O último passo desta passagem deve ser efetuado por cada pessoa sozinha. Assim o medo da solidão mostra que no íntimo da pessoa há um espaço onde ninguém pode entrar. É importante frequentar este lugar. Costuma ser o espaço privilegiado do encontro com Deus e consigo mesmo. Também o medo da morte aponta para aquilo que distingue nossa vida e nosso destino. Morreremos, mas nossa identidade não será destruída.

Uma das novidades do Evangelho é apontar caminhos para enfrentar adequadamente os medos essenciais da vida. Desta forma a obediência responde ao medo do poder que outros podem ter sobre nós. Mostra que abrir-se à vontade de Deus torna a pessoa livre. A pobreza é uma resposta ao medo de privações, de levar desvantagens, do medo do desprezo e da desconsideração. Abre-se mão das seguranças e confronta-se com a verdade. Confessa que Deus é capaz de preencher os anseios humanos. A castidade responde ao medo de não ter onde se apoiar. Nesta situação a pessoa tende a se agarrar a outras pessoas ou a seguranças exteriores.

Quando a pessoa se confronta com seus medos através dos caminhos indicados pelo Evangelho, alcança a sua verdade e liberdade interior. Encontra seu verdadeiro ser e adquire atitudes consistentes de maturidade.

Por Dom Wilson Tadeu Jönck, scj

Artigo publicado na edição de novembro de 2019 do Jornal da Arquidiocese, página 02.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*