A pandemia COVID-19 impede de celebrar, com um encontro, o Dia do Padre (04/08), na comemoração de São João Maria Vianney. Pelo mesmo motivo não acontecerá o encontro dos diáconos na festa de São Lourenço (10/08). De qualquer forma, quero alcançá-los com efusivos cumprimentos nestes dias marcantes na vida dos padres e diáconos da Arquidiocese.

Inicialmente desejo enviar uma saudação particular aos nossos padres e diáconos que foram afetados pelo coronavírus. Também por todos que foram envolvidos pela pandemia na pessoa de algum familiar. Trago igualmente a memória a todos os padres e diáconos que estiveram hospitalizados e estão em recuperação da saúde. São horas de preocupação e angústia e não gostaria que se sentissem só no enfrentamento desta doença. Expressamos nossa solidariedade e desejo de proximidade neste momento particular de suas vidas.

A pandemia faz recordar alguns momentos da vida do Cura D’Ars e como tudo passou a ter significado no seu ministério sacerdotal. Lembro da sua primeira confissão diante do relógio porque a comunidade não podia se reunir para celebrar na igreja. A perseguição da mesma revolução francesa fez com que a primeira comunhão acontecesse escondida em um galpão agrícola. O Santo de Ars também teve problemas com o alistamento militar. Foi considerado desertor. O seu irmão Francisco que se alistou no seu lugar, nunca mais voltou.

O padre e o diácono, no exercício do seu ministério, são levados a confrontar-se com as angústias fundamentais da vida humana – momentos de solidão, de morte, de incertezas sobre os planos de Deus. O período de pandemia que paralisa as nossas atividades nos faz refletir sobre a caminhada e a própria vida sacerdotal. Somos convidados a tomar a cruz, aquela que humaniza nossa vida e que convida a deixar de nos agarrar nas seguranças do mundo.

Deus quer se manifestar ao mundo, e quer fazê-lo através de nós. Momentos como os que estamos vivendo, propiciam oportunidade de rever o nosso modo de ser padre, diácono: o modo de rezar, o modo de conduzir a comunidade, a maneira como nos relacionamos com as pessoas, o modo como testemunhamos e proclamamos o Evangelho. É hora de renovar a certeza de que Cristo habita em nós e quer se manifestar aos outros através de nós. É Jesus que dá novo prazer à vida, transforma a água em vinho. Faz com que não nos prendamos aos revezes da vida, mas demos asas à liberdade de servir.

A imagem do semeador ajuda a refletir sobre a nossa missão. Há duas atitudes fundamentais na atividade do agricultor. A primeira é aquela de preparar o solo, lançar a semente, fornecer água e sais minerais, controlar as ervas daninhas. A segunda, é mais fundamental. Consiste em esperar. Todas as atividades anteriores não serão pesadas se forem preenchidas pela esperança no crescimento e desenvolvimento da planta. O padre é chamado a exercer o seu ministério na esperança. E a pandemia é um tempo de esperança.

Em nome da Arquidiocese abraço a todos os padres e diáconos. Manifesto nosso agradecimento e reconhecimento. Deus derrame abundantemente sobre todos as suas graças.

Dom Wilson Tadeu Jönck, scj

Artigo publicado na edição de agosto de 2020 do Jornal da Arquidiocese, página 2.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*