unnamed (25)

Com o Bispo de Macapá, Amapá, Dom Pedro José Conti

Em julho de 2014, a Arquidiocese de Florianópolis, reunida em Assembleia Geral, aprovou uma nova frente Missionária na Amazônia, ainda sem definir o local e quem iria.

Padre Jacob Archer, que já tinha trabalhado durante 14 anos nas Dioceses da Barra e Ruy Barbosa, no sertão da Bahia, logo se apresentou e sugeriu para o Arcebispo Dom Wilson Tadeu Jönck, sjc, e para o coordenador de pastoral arquidiocesano, Pe. Revelino Seidler, a Diocese de Macapá, Norte do Brasil.

Em janeiro de 2014, no Intereclesial das CEBs, em Juazeiro do Norte, Ceará, o bispo de Macapá, Amapá, Dom Pedro José Conti, perguntou se não teria algum padre do Sul que desejaria ajudar na Diocese de Macapá.

Indicado por alguns outros padres presentes, Pe. Jacob logo se mostrou interessado e disposto a voltar para as missões além fronteira, desta vez, na Amazônia. E respondeu que gostaria e aceitaria, só dependia do Arcebispo de Florianópolis.

Após cinco anos como o primeiro pároco na Paróquia de Bombinhas, Pe. Jacob era enviado pela Arquidiocese de Florianópolis, em uma Missa presidida por Dom Wilson, no dia 02 de fevereiro de 2015, na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em São José. E ainda teve outra Missa de envio, desta vez, no Santuário de Azambuja, Brusque, no dia 05, presidida pelo Pe. Alvino Milani com a presença de outros padres concelebrantes.

Com o Bispo da Diocese de Tubarão, Dom Salm

Com o Bispo da Diocese de Tubarão, Dom Salm

 Com a passagem comprada, repleto de alegria, e também apreensivo, por ser uma terra desconhecida, mas confiante na proteção de Deus, e agarrado ao seu lema Sacerdotal – “Comigo está o Senhor, nada temo”(Sl 118), Pe Jacob embarca para a Amazônia no dia 10 de fevereiro de 2015, acompanhado dos padres Josemar Silva e Vânio  da Silva, sendo recebido no aeroporto de Macapá, Estado do Amapá, pelo Pe. Lino Zani, missionário Italiano, então pároco da Paróquia Divino Espírito Santo, município de Amapá.

Sem ainda uma Paróquia definida, Pe. Jacob ficou uns dias em Macapá, com Dom Pedro, depois em Amapá com Pe Lino, além de conhecer outras Paróquias da Diocese, no extenso Estado do Amapá, com 148 mil km², 16 municípios e mais algumas ilhas, pertencentes ao Estado do Pará, e com 27 paróquias.

Depois de dois meses ajudando Pe. Lino, o padre missionário da Arquidiocese assume como Pároco da Paróquia Divino Espírito Santo, que compreende os municípios de Amapá e Calçoene (este faz divisa com o Oiapoque).unnamed (2)

No ano seguinte, no dia 02 de abril de 2016, Dom Pedro Conti pede para Pe. Jacob assumir mais uma Paróquia, a de São João Paulo II, nos municípios de Tartarugalzinho e Pracuúba, junto com o Diácono Benedito Curtis, que foi ordenado padre logo em seguida, em maio de 2016.

E assim, Pe. Jacob Archer completou na sexta-feira, 10 de fevereiro, dois anos de Missões na Amazônia. Sempre disposto e feliz, leva o Evangelho ao povo que sempre tem muita fé e sede de Deus. Só necessita de gente disposta a anunciar Jesus Cristo a todos os povos, fazendo discípulos, e estando no meio deles.

unnamed (3)Padre Jacob procura seguir esses ensinamentos do Mestre. Na verdade, pela grande extensão dos quatro municípios, aproximadamente 35 mil km², são poucas as Comunidades, em torno de 50.

Algumas são visitadas só na festa do padroeiro; outras, quatro ou cinco vezes ao ano. Algumas, todos os meses.  Padre Jacob também ultimamente descobriu algumas Comunidades que não recebiam visita do padre há muito tempo, como aconteceu neste início de fevereiro. Ele conta que em uma Comunidade com 40 famílias, há mais de cinco anos não tinha a presença de um sacerdote.

As distâncias são longas, asfalto, BR 156, barro, ramais, tempo de chuvas, muita lama, e algumas também se chegam de barco, pelo rio ou o mar, e se levam 14 horas para ir e mais 14 para voltar.

unnamed (19)

“Agradeço muito a Deus por me escolher para esta sublima missão”

“Claro que além de nós padres e religiosas, contamos com muitos leigos e leigas abnegados é sempre dispostos a levar a Palavra de Deus e servir os irmãos. Me sinto muito acolhido aqui na Diocese de Macapá (a única no Estado do Amapá), pelo Bispo Dom Pedro, pelos Padres da Diocese e pelos padres missionários – Fidei Donum, religiosos e pelo povo, sempre com sede de Deus, povo de muita fé, mesmo às vezes faltando o necessário para uma vida mais digna.  Espero que em muito breve, venha ao menos mais um padre da Arquidiocese de Florianópolis para estas missões aqui na Amazônia, na Diocese de Macapá.

unnamed (18)Nesses dois anos de missões, recebi várias visitas de amigos do Sul, padres, leigos, o meu grande amigo Dom João Salm, Bispo de Tubarão, e até o coordenador da Pontifícias Obras Missionárias (POM), na época Pe. Camilo Pauletti.

As portas estão abertas. Vamos juntos anunciar o Reino de Deus que o Papa Francisco tanto pede, também aqui na Amazônia. Agradeço muito a Deus por me escolher para esta sublime missão. Enquanto posso, permaneço por aqui, onde me sinto muito feliz. Mesmo com poucos recursos financeiros, vamos remando”. Padre Jacob Archer

unnamed (23)

Dom Wilson na Igreja Nossa Senhora do Rosário, de São José, na Missa de envio em 0 de Fevereiro 2015

Dois anos de presença missionária em Macapá

Depoimento do Bispo de Macapá, Amapá – Dom Pedro José Conti – sobre a presença do Pe. Jacob na Diocese de Macapá

Dois anos atrás, Pe. Jacob Archer chegava na Diocese de Macapá para nos ajudar. Pelos misteriosos caminhos da Providência Divina, tínhamos nos encontrado no Intereclesial de Juazeiro do Norte. Eu, atrás de padres para atender o nosso povo e ele, aberto e generoso. Assim aconteceu. Nada de extraordinário, mas ao mesmo tempo tudo surpreendente. A disponibilidade de Pe. Jacob e a colaboração de Dom Wilson, grande Arcebispo de Florianópolis.

A paróquia que Pe. Jacó atende é enorme em extensão. Na realidades são duas paróquias que abrangem quatro municípios. A população pode não ser muito grande, mas as distâncias exigem disposição e paciência, viajando muito de carro por caminhos esburacados, lamacentos no inverno e empoeirados no verão.

unnamed (16)Às vezes, precisam também longas horas de barco. Este é norte do Brasil, a Amazônia, ainda carente de padres, religiosos e religiosas. Algumas Dioceses do Sul começaram a nos ajudar, mas ainda falta muita mão de obra!

Estamos abertos a acolher os novos missionários e missionárias, enviados pelas próprias Dioceses ou Congregações Religiosas. Por enquanto, vai aqui um grande muito obrigado a todos aqueles e aquelas que nos ajudam. Um muito obrigado meu e do povo de Deus da Diocese de Macapá“.unnamed (1)

 

 

2 Comments, RSS

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*