O Concílio Vaticano II (1962-1965) apresenta a Igreja como mistério. Após o Concílio de Trento (1545-1563), a Igreja vinha se configurando como instituição, uma sociedade tão perfeita como qualquer organização humana, com leis específicas sobre a pertença eclesial: a prática dos mesmos sacramentos (sobretudo o Batismo, a Eucaristia e o Matrimônio), a profissão da mesma fé, recitada no credo, e a obediência à mesma hierarquia, centrada na figura do papa.

Volta às fontes

No Concílio Vaticano II há uma volta às grandes fontes da fé, a Bíblia e a Tradição, para tirar desse tesouro a riqueza de uma antiga, mas sempre nova, concepção eclesiológica: a Igreja como mistério. Sendo imagem da Santíssima Trindade, ela é uma comunidade missionária, é o sacramento da união dos homens com Deus e entre si, é germe e sinal e instrumento do Reino de Deus. Refletindo esta ideia, o Documento de Aparecida (2007) dirá: “A Igreja é comunhão no amor. Esta é a sua essência e o sinal através do qual é chamada a ser reconhecida como seguidora de Cristo e servidora da humanidade” (DAp 161).

Imagem da Trindade

A Igreja é na terra o sinal que reflete a comunhão das pessoas divinas, é o ícone terreno da Trindade celeste. A Trindade é a origem, a forma e o destino da Igreja. Assim, a Igreja vem de Deus-Trindade, vive em Deus-Trindade e vai para Deus-Trindade. Em Deus Trindade, somos unidade, mas não uniformidade; somos diversidade, mas não divisão; somos comunhão, mas não confusão. A Santíssima Trindade é a perfeita comunidade missionária, modelo para todas as comunidades e paróquias e dioceses, para a Igreja em todo o mundo.

Mistério e história

A dimensão mistérica da Igreja não anula a dimensão institucional, mas a precede e supera. Assim, a Igreja equilibra-se por essa dupla referência: o mistério e a história, a dimensão espiritual e a dimensão institucional. O mistério da Igreja, fundado na Trindade, se encarna na história. Não é um mistério abstrato, descolado do concreto e do cotidiano da história. Em comparação com o mistério da encarnação, em que a pessoa divina do Verbo assume a natureza humana em Jesus de Nazaré, também a Igreja assume realidades materiais para poder anunciar e realizar no mundo o Reino de Deus.

Publicado na edição de setembro de 2019, do Jornal da Arquidiocese, página 05

Por Pe. Vitor Feller

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*