“Abre tua mão para teu irmão” (Dt 15,11)

Meditatio (meditação)
Vamos rezar com um versículo. Apenas um? Sim, poucas palavras da Palavra. E profundas. Como ecoam em ti? Centra tua meditação nos dois polos do versículo: tua mão; teu irmão. E no verbo: abrir. Como acolhes esse convite da Palavra?

Oratio (oração)
Senhor, há tantos irmãos e irmãs ao meu redor. Acolhendo teu convite em meu coração, quero abrir-me à sua presença, às suas necessidades. Tudo o que tenho vem de ti. Que eu não me feche em mim e no que tenho, mas me abra aos irmãos e irmãs – meu ser, meu ter, meu olhar, minhas mãos.

Contemplatio (contemplação)
Os irmãos e irmãs são também, para ti, motivo de contemplação. Abre-te à contemplação do outro. Se te abres aos outros, também aí o Outro se revela. Abrir o coração, abrir as mãos.

Missio (missão)
Abre tua mão para teu irmão. Como são tuas obras de caridade? E o dízimo que ofertas? Tens dificuldade em abrir tuas mãos? Acolhe essa missão.

Por Pe. Paulo Stippe Schmitt

Artigo publicado na edição de setembro de 2020 do Jornal da Arquidiocese, página 8.

Clique aqui e leia outros artigos do Pe. Paulo Stippe Schmitt.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*