Lectio (leitura)

“O Todo Poderoso fez grandes coisas em meu favor; elevou os humildes” (Lc 1,49.52).

Meditatio (meditação)

Em seu canto de louvor a Deus, Maria personifica a piedade dos pobres de Israel. O Magnificat expressa tanto o júbilo coletivo do povo simples de Israel quanto a alegria particular de Maria. Como discípula primeira, Maria se torna porta-voz dos humilhados. Ela está em situação humilhante porque está associada aos oprimidos (Lc 1,52). Ao proclamar as maravilhas que o Senhor operou em sua vida, a Virgem reconhece que o Senhor é o Deus dos humildes. Seu cântico, que sintetiza toda a história da salvação, faz eco às palavras de Jesus: “todo aquele que se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado” (Lc 14,11). Por se fazer Serva do Senhor, Maria foi exaltada acima de toda criatura. A Virgem é o ícone da pessoa humilde que Deus exaltou. “Ela brilha como sinal de esperança segura e de consolação, aos olhos do povo de Deus peregrinante” (LG 68).

Oratio (oração)

“A minha alma engrandece o Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador” (Lc 1,46-47).

Contemplatio (contemplação)

bra do Senhor no grandioso sinal que surgiu no céu: a Mulher vestida do Sol da justiça (Ap 12,1), glorificada com a coroa da vitória e plenificada de ressurreição.

Missio (missão)

Sinal de esperança, a Virgem assunta aos céus participa da ressurreição inaugurada por seu Filho. A assunção é extensão graciosa da Páscoa de Cristo: Maria foi ressuscitada por Deus. A Virgem é “a perfeitamente redimida” (K. Rahner). Ela já é aquilo que um dia nós seremos. Transfigurada pelo Senhor, Maria confirma nossa esperança cristã: há vida plena e ressurreição para o ser humano na totalidade do seu ser, em seu corpo e em sua alma. Ela nos antecede, nos representa e nos espera em seu amor de mãe. Em Maria, a humanidade reconhece que um mundo melhor é possível e canta a utopia de uma vida nova no presente da história. Somos missionários e caminhamos em companhia daquela que foi assumida por Deus. Nossa meta é Cristo! Nossa missão é levar vida e ressurreição a toda criatura.

Por Pe. Wellington Cristiano da Silva

Artigo publicado na edição nº 215 do Jornal da Arquidiocese

Agosto de 2015

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*