Os autores do projeto: Nazário, Dyana, Frei Evandro e dr. Takaschima

Com o objetivo de implantar a cultura da paz e de uma comunicação não-violenta, foi iniciado neste mês, o projeto-modelo de implantação da Justiça Restaurativa (JR) na Penitenciária de Florianópolis.

A JR é uma iniciativa que envolve o Tribunal de Justiça de Santa Catarina, a Ação Social da Paróquia da Santíssima Trindade e a Penitenciária da Capital, sob coordenação do juiz de Direito Dr. Alexandre Karawasa Takaschima, do agente prisional Jannynffer Glayson da Cunha Nazário, e da assistente social da ação social Dyana  Ayres dos Santos Carvalho.

A premissa da Justiça Restaurativa, instituída pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), é a tese de que um ato violento não tem início no momento em que é praticado. “O projeto-piloto no sistema prisional é uma proposta de agregar a cultura da paz e da comunicação não-violenta aos demais programas já realizados no Complexo Prisional da Agronômica, como por exemplo o da educação”, explicou o juiz Alexandre Takaschima. “A proposta é a utilização de círculos de construção de paz para transformação dos conflitos, por meio de reparação às vítimas e autorresponsabilização do ofensor, com a participação dos familiares e da comunidade”, completou.

Para Takaschima, a Justiça Restaurativa permite criar melhores condições para o retorno do preso ao convívio social, porque trabalha novas formas de relacionamento pelo diálogo, com a participação de familiares, pessoas de apoio e referências, além da comunidade, e com foco na reparação dos danos e necessidades das vítimas. Segundo o juiz, não se trata de projeto para ser aplicado a todos os presos, pois exige voluntariedade, responsabilização pelos danos causados e reparação às vítimas.

Inicialmente, 20 condenados do regime fechado participarão do primeiro ciclo do projeto. A intenção é que cada apenado tenha dois encontros mensais durante um período mínimo de seis meses. Enquanto os presos realizam os círculos dentro da penitenciária com representantes de vários órgãos e entidades do Estado, além da própria comunidade, os familiares farão o mesmo movimento em encontros fora das unidades prisionais.

O Complexo da Agronômica reúne cinco unidades prisionais, que acolhem quase 2,5 mil detentos. Desses presos, 1,4 mil estão na Penitenciária de Florianópolis. A intenção é que o projeto alcance as 50 unidades prisionais do Estado.

Matéria publicada na edição de abril de 2019 do Jornal da Arquidiocese, pág. 10.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*