Na próxima quinta-feira, 20 de junho, a Igreja Católica comemora em todo mundo, o dia de Corpus Christi. O nome vem do latim e significa, “Corpo de Cristo”. Tem como objetivo, celebrar o mistério da Eucaristia, ou seja, o Sacramento do Corpo e do Sangue de Cristo.

É um dia em que os fiéis tradicionalmente confeccionam os tapetes feitos de flores, serragem e outros materiais, pelas ruas onde o padre passará com o Santíssimo Sacramento.

Na Arquidiocese de Florianópolis, as 71 Paróquias celebram Missa Solene, seguida de procissão.

Neste ano, na Catedral Metropolitana, a Igreja Mãe da Arquidiocese, a artista plástica, Beatriz Wolf Harger Silveira confeccionou 50 metros de pintura em lona, a partir de observações que ela têm feito da solenidade, de outros anos.

Corpus Cristi Solidário

O Arcebispo Dom Wilson Tadeu Jönck, scj, presidirá a Missa às 15h, na Catedral Metropolitana. Todos são convidados para fazer um gesto de caridade em prol do Asilo Irmão Joaquim e da Pastoral do Migrante, trazendo donativos de gênero alimentício, higiene pessoal e de limpeza. Todos os donativos arrecadados serão destinados a essas duas entidades.

“Que a festa de Corpus Christi inspire e alimente sempre mais, em cada um de nós, o desejo e o compromisso por uma sociedade acolhedora e solidária” – Papa Francisco.

Na Catedral, às 07h, as ruas em volta da Praça XV serão fechadas para a marcação dos tapetes. E a partir das 08h, representantes de pastorais, movimentos e novas comunidades iniciam a confecção de tapetes.

Sempre na quinta-feira

A festa de Corpus Christi é feita na quinta-feira após o domingo da Santíssima Trindade. Também em alusão à Quinta-feira Santa, quando se deu a instituição deste Sacramento.

A procissão pelas vias públicas atende a uma recomendação do Código de Direito Canônico que determina ao bispo diocesano que a providencie onde for possível, como forma de “testemunhar publicamente a adoração e a veneração para com a Santíssima Eucaristia”.

Procissão com a Hóstia consagrada

A celebração teve origem em 1243, em Liège, na Bélgica, no século XIII, quando a freira Juliana de Cornion teria tido visões de Cristo demonstrando-lhe desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque.

Em 1264, o Papa Urbano IV, através da Bula Papal “Trasnsiturus de hoc mundo“, estendeu a festa para toda a Igreja, pedindo a São Tomás de Aquino que preparasse as leituras e textos litúrgicos que, até hoje, são usados durante a celebração.

A procissão com a Hóstia consagrada conduzida em um ostensório é datada de 1274. Foi na época barroca, contudo, que ela se tornou um grande cortejo de ação de graças.

No Brasil

A festa passou a integrar o calendário religioso de Brasília, em 1961, quando uma pequena procissão saiu da Igreja de Santo Antônio e seguiu até a Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima.

Já a tradição de enfeitar as ruas surgiu em Ouro Preto, cidade histórica do interior de Minas Gerais. A procissão lembra a caminhada do povo de Deus, que é peregrino, em busca da Terra Prometida. No Antigo Testamento, esse povo foi alimentado com maná, no deserto. Hoje, ele é alimentado com o próprio Corpo de Cristo.

Durante a Missa o celebrante consagra duas hóstias: uma é consumida e a outra, apresentada aos fiéis para adoração. Essa hóstia permanece no meio da comunidade, como sinal da presença de Cristo vivo no coração de sua Igreja.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*