A palavra evangelização se tornou chave para entender a missão da Igreja em nossos tempos. Não há evangelização sem a Palavra de Deus.  Toda a obra da Igreja – sacramentos, ações sociais, devoções, retiros espirituais, celebrações etc. – deve estar permeada pela Palavra de Deus. Trata-se do anúncio da Palavra, em linguagem direta e simples, alegre e cordial.

Leitura orante da Palavra

O Documento 100 da CNBB – “Comunidade de comunidades: uma nova paróquia. A conversão pastoral da paróquia” – ensina que “sendo Casa da Palavra, a paróquia há de promover uma nova evangelização”. Mas logo adverte: “Muitos paroquianos ainda não se familiarizaram com a Bíblia”. E sugere: “A Palavra é saboreada na experiência comunitária da leitura orante” (n. 271).

A leitura orante da Palavra de Deus consta de cinco passos. Primeiro, faz-se a leitura do texto, perguntando-se simplesmente sobre o que o texto diz. Depois faz-se a meditação do texto, com a pergunta: o que o texto diz para mim, na situação que estou vivendo? Depois vem a contemplação, com a pergunta: o que o texto me diz a respeito da vida, do mundo, da sociedade, do momento histórico atual, dos conflitos sociais etc.? A oração é o quarto momento, trabalhado com a pergunta: o que o texto me faz dizer a Deus? É o momento específico da oração, através da qual, inspirado pela Palavra, o fiel louva, bendiz, agradece, suplica, pede perdão, entrega-se e abandona-se, num relacionamento íntimo com Deus. O último momento é a ação, com a pergunta: o que o texto me pede para fazer? Pode-se ver, assim, que a leitura orante da Palavra é um caminho que vai transformando o coração, a oração e a ação do fiel e da comunidade. Uma paróquia que promove a leitura orante vai tornar-se verdadeiramente evangelizadora.

Anúncio alegre da Palavra

O lugar por excelência do anúncio da Palavra é a celebração. Isso pode ser feito em diversas ocasiões: na celebração de cada sacramento (no batismo e no casamento, por exemplo), nas celebrações eucarísticas e em celebrações próprias da Palavra. Nessas ocasiões convém ressaltar a mesa da Palavra, de modo que se torne centro da atenção dos fiéis. Através da proclamação alegre e clara das leituras, do salmo, do canto de aclamação e do próprio Evangelho e através da homilia, pode-se fazer uma boa obra de evangelização. Sobre a homilia, diz o Documento 100 da CNBB: “Ela precisa ser breve e capaz de falar a linguagem dos homens e mulheres da cultura atual. Pela homilia a comunidade é levada a descobrir a presença e a eficácia da Palavra de Deus em sua vida” (n. 272).

Artigo publicado na edição de setembro/2015, nº 216, do Jornal da Arquidiocese

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*