Na edição anterior do Jornal introduzimos a “Carta de Tiago”. A imagem de Deus nela contida mostra-o como um Pai (3x), e também Legislador (1x) e Juiz (1x), criador do universo (1,17). O seu Espírito habita no homem (3,9; 4,6). Dá simplesmente, sem medida (1,5), e não tenta ninguém, pois o mal não o alcança (1,13). Dele somente vem o bem (1,17). É um Deus próximo (4,7) que ouve a oração dirigida a ele (1,5; 5,15-17); bondoso e misericordioso (5,11), que perdoa os pecados (5,15). Ama a justiça social (1,27) e vinga a injustiça (5,4-6). Escolhe os pobres (2,5) e exige que os honrem (2,3-5.15-16). Seu julgamento é duro com os ricos que exploram os pobres (5,1-6) e contra aqueles que acreditam poder renunciar às obras do amor (2,14).

Sobre Jesus Cristo, citado diretamente apenas duas vezes (1,1; 2,1), Ele é o “Senhor” (kyrios) (1,1; 2,1; 5,7.8.14.15, talvez 4,15), título que Tiago também aplica a Deus. Em 2,1, Jesus é o “Senhor da Glória”, expressão que denota a situação de Cristo como exaltado à direita de Deus, ressuscitado (cf. Lc 24,26), que voltará no fim dos tempos (Mt 16,27; 19,28; Mc 8,38). Tiago, assim, coloca sua comunidade em face do Juiz do universo (cf. 5,7-8). E se traduzirmos o primeiro versículo como “Tiago, servo de Deus e Senhor, Jesus Cristo”, como sustentam alguns estudiosos (Vouga), teríamos uma das
mais profundas confissões cristológicas do Novo Testamento.

A carta é famosa por sua ética, e reitera a tão importante relação entre fé e obras, que muitos enxergaram um conflito com o pensamento paulino da justificação pela fé (cf. Rm 3,28). Para Tiago, é claro: quem salva é Deus (1,17), que é a causa da nova criação do ser humano (1,18), pois o homem não pode salvar-se a si mesmo. É a Palavra plantada em nosso coração que nos salva (1,21), mas ela precisa ser praticada e não só ouvida (1,22). Ao falar da necessidade de agir, critica àqueles que possuem uma fé intimista, descomprometida, desencarnada, longe de ser a fé praticada, transformante, existencial para a qual fomos chamados. Não somos salvos “pelas” boas obras, mas “para” as boas obras. E deturpa S. Paulo quem conclui uma dicotomia entre a fé e a vida, pois “a fé opera pela caridade” (Gl 5,6), e todo ser humano será julgado conforme suas obras (Rm 2,6ss). A fé concorre para as obras, as obras realizam a fé (2,22).

Essa epístola deixa-nos importantes legados de justiça social no esteio de tantos profetas e do próprio Senhor Jesus, e convida-nos a transformar nossas relações com Deus e as pessoas no mandamento régio do amor.

Artigo publicado na edição de abril de 2021 do Jornal da Arquidiocese, página 8.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*