Paróquia Sagrado Coração de Jesus – Paulo Lopes

A Congregação para o Clero, da Santa Sé, acaba de publicar uma Instrução intitulada “A conversão pastoral da comunidade paro­quial a serviço da missão evangelizadora da Igreja”. O documento tem por objetivo convidar as paróquias à conversão pastoral, a fim de poderem sair de si mesmas, procurar novas estradas, iniciar novas experiências, criar instrumentos de reforma pastoral e es­trutural que as levem a serem missionárias, paróquias em saída missionária.

Conversão pastoral

A conversão pastoral é fundamental “para que as comunidades cristãs se tornem cada vez mais centros propulsores do encontro com Cristo” (n. 3). O papa Francisco já havia dito no início de seu pontificado, na exor­tação Evangelii Gaudium sobre a alegria do anúncio do Evangelho, que o grande ideal da missão é chegar às pessoas “que vivem sem a força, a luz e a consolação da amizade com Jesus Cristo, sem uma comunidade de fé que os acolha, sem um horizonte de sentido e de vida” (EG, 49). Para levar o Evangelho de Cristo a todos nossas paróquias têm de renovar-se, estar mais voltadas para fora, atentas aos que vivem nas periferias geográficas e existen­ciais.

Missão e renovação

A missão é o critério para a renovação de nossas paróquias. O ímpeto missionário tor­nará a paróquia cada vez mais inclusiva, aco­lhedora de todas as pessoas que procuram a Palavra, os sacramentos e a caridade cristã. A missão recordará continuamente à paró­quia de “que os pobres e excluídos devem ter um lugar privilegiado no coração da Igreja” (n. 32). A comunidade paroquial é o lugar da compaixão com pessoas e famílias sem teto, sem trabalho, sem condições de vida digna.

Conselho Pastoral Paroquial

Com base no Direito Canônico e nas propos­tas pastorais do papa Francisco, a instrução sugere que toda paróquia tenha seu Conse­lho Paroquial de Pastoral. Que seja expressão do sacerdócio batismal dos fiéis, da corres­ponsabilidade de fiéis e pastores na missão da Igreja. Que seja formado por lideranças re­presentativas das mais diferentes expressões da vida e da missão paroquial, para ativar mecanismos que facilitem e promovam a co­munhão e a missão do povo de Deus que vive na comunidade paroquial. E, sobretudo, que “seja sujeito e protagonista da missão evan­gelizadora”, que se deixe envolver na missão de Cristo e da Igreja no mundo (n. 110).

Pe. Vitor Galdino Feller

Artigo publicado na edição de agosto de 2020 do Jornal da Arquidiocese, página 5.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*