O Documento de Puebla traz uma significativa compreensão da natureza da Igreja, conjugada em um duplo foco: seu ser, proveniente do mistério de Cristo e seu agir, voltado para o ser humano, cujo rosto é concentrado na pessoa dos pobres. Seu ser: povo de Deus. Seu agir: indicar e realizar a comunhão.

INSEPARÁVEL DE CRISTO

A Igrejacontinua a obra evangelizadora de Cristo. Inseparável de Cristo, ela é sacramento de comunhão e povo peregrino na história, ao qual ele envia seu Espírito Santo. Por sua vez, a presença de Cristo na história, na cultura e na realidade da América Latina é inseparável da Igreja, por meio da qual o Evangelho de Cristo chegou a todos. Foi Cristo quem fundou a Igreja, fez dela o sacramento universal e necessário de sua salvação, apontando-a como caminho normativo para o encontro com ele. Fiel à encarnação visível, a Igreja é a presença e a ação evangelizadora de Cristo, é sinal, germe, princípio e instrumento do Reino de Deus pregado por Cristo. A Igreja é um povo universal, família de Deus, povo peregrino na história, povo que nasce de Deus pela fé em Cristo.

INSEPARÁVEL DOS POBRES

Do polo de Cristo o movimento vai para o polo dos pobres. A Igreja, povo de Deus, povo profético, povo enviado, povo servidor, discerne as vozes de Cristo na história, empenha-se por testemunhar a mesma predileção de Cristo pelos pobres e sofredores. A evangelização dos pobres, que foi para Jesus um sinal de sua messianidade, é sinal de autenticidade evangélica da Igreja. Com os olhos em Cristo, que foi solidário com os pobres, assumindo a situação em que eles viviam e chegando à expressão máxima de pobreza, a Igreja faz opção pelos pobres, sujeitos e destinatários da evangelização, definindo que a evangelização deles, sendo sinal e prova por excelência da missão de Jesus, é também a prova da fidelidade da Igreja ao Evangelho.

AMAR CRISTO NOS POBRES

Por isso, o serviço dos pobres é a medida privilegiada, embora não exclusiva, do seguimento de Cristo por parte da Igreja e de seus pastores. Daí a clara e profética opção preferencial e solidária pelos pobres e a necessidade de conversão de toda a Igreja para uma opção preferencial pelos pobres, no intuito de sua libertação integral. Por fidelidade e identificação com Cristo pobre e com os pobres, a Igreja assume a opção pelos pobres.

Publicado na edição de março de 2019, do Jornal da Arquidiocese, página 05

Por Pe. Vitor Feller

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*