Quando falamos de vocação a tendência é adotar um discurso abstrato. Mas o principal é reconhecer esta dimensão do ser humano no concreto da sua vida. Vejamos: quando tenho o desejo de praticar uma obra de caridade, este já é um segundo momento. É uma resposta a um chamado de Deus que é anterior. Assim, através da obra de caridade, Deus se faz presente no mundo. Toda obra boa que realizo é uma resposta a uma iniciativa de Deus. Desta forma a minha vida é investida de uma marca de qualidade mais profunda. Tomo consciência de que minha ação é uma resposta a um desejo do próprio Deus. E Deus quer a pessoa humana como parceira na sua obra no cotidiano da sua história.


O livro do Gênesis afirma que o ser humano foi constituído administrador da criação de Deus no mundo. Esta é sua vocação: administrar a obra de Deus. O que se espera do administrador é que seja fiel e que todo o seu agir corresponda ao plano de quem o contratou. E um dos aspectos do plano de Deus é que toda criação sirva para o bem de todos. O administrador é encarregado de fazer produzir frutos e que todos sejam beneficiados, que não haja acumulação para o bem só de alguns. Nesta medida se consolidará o bem-estar da comunidade humana.


Deus é também autor da vida, da nossa vida. Somos constituídos administradores da nossa vida, da vida que recebemos de Deus. A nossa vida deve fazer bem aos outros. Sou chamado a ser boa presença na vida dos outros. Nasce a amizade, o amor recíproco cresce e se forma a comunidade. É nossa vocação. Somos convidados a consultar permanentemente o autor da vida sobre o modo de conduzir a própria vida. Não será um conhecimento abstrato da vontade de Deus, mas uma descoberta concreta nos momentos da vida no dia a dia. Assim as decisões que tomamos ganham densidade e significado, pois serão respostas a uma iniciativa de Deus.


Como vemos, a vocação não é propriamente o ser médico, ser professor, ser comerciante, ser artista, agricultor…. A dimensão vocacional se verifica na forma como se exerce cada profissão. Deus quer se manifestar através do exercício de cada profissão. O bom administrador fará com que a sua profissão se reverta para o bem de todos e não só para a satisfação pessoal. Assim Deus se faz presente e um mundo melhor será construído.


As duas ações mais nocivas ao ser humano é quando ele não quer ser apenas administrador, mas o dono. É que seja feita a sua vontade. A outra é usar os bens criados para o próprio bem. Busca -se acumular lucro, vantagens pessoais e não o bem de todos. Quase tudo que há de ruim no mundo nasce de uma destas atitudes, ou das duas ao mesmo tempo. Vale a pena lembrar que a vocação sacerdotal e religiosa é colocar-se a serviço dos seres humanos em tudo aquilo que se refere ao seu relacionamento com Deus. Ela é identificada em ações como vida de fé, vida de oração , perdão e reconciliação, sacramentos, obras de caridade, vida de virtude.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*