Lectio - Setembro_cruzLectio (leitura): “Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado” (Jo 3,14).

Meditatio (meditação): No diálogo com Nicodemos, Jesus revela o amor supremo de Deus manifestado no gesto concreto de sua paixão na cruz. Para tornar mais compreensível o significado de sua livre entrega, Jesus compara o sinal de sua cruz ao sinal da serpente erguida por Moisés. Assim como quem olhava para a serpente de bronze, levantada por Moisés no deserto, era curado do veneno mortal (Nm 21,8), todo aquele que olhar para o Crucificado receberá vida e salvação. Quem se voltava para a serpente de bronze – que se tornou sinal de salvação para o povo de Israel (Sb 16,6) – era curado, não pelo que via, mas pela ação do Deus Salvador de todos (Sb 16,7). Por sua vez, o Filho do Homem, levantado na cruz, leva à plenitude a salvação oferecida por Deus à humanidade.

Oratio (oração): Eu vos adoro Senhor Jesus Cristo e vos bendigo, porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.

Contemplatio (contemplação): “Olharão para aquele que transpassaram” (Zc 12,10; Jo 19,37). Assim como a serpente de bronze, a Santa Cruz nos obriga a olhar para o alto e a superar toda idolatria. Ao contemplarmos Jesus levantado na cruz, somos curados do veneno da maldade que nos faz perecer.

Missio (missão): “Eis o lenho da Cruz do qual pendeu a salvação do mundo! Vinde e adoremos!”. A Festa da Exaltação da Santa Cruz mantém estreita relação com a Sexta-Feira Santa. Jesus, condenado à morte de cruz, foi elevado da terra, atraindo todos para si (Jo 12,32). “Elevado da terra” significa ao mesmo tempo crucificado e glorificado. Jesus transformou a vergonha da cruz em fonte de plena salvação. No Crucificado, Deus manifesta a sua glória, pois a cruz é derrota do pecado e vitória do amor. A cruz de nosso Senhor Jesus Cristo é também a nossa glória (Gl 6,14). Sejamos, pois, missionários do consolo e da esperança, levando em nosso coração o sinal da cruz. E, igualmente, verdadeiros cireneus a aliviar as cruzes pesadas de tantos irmãos.

 

Por Pe. Wellington Cristiano da Silva

Artigo publicado na edição nº 216 do Jornal da Arquidiocese

Setembro de 2015

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*