Lectio (leitura) – Evangelho de São Lucas 2, 22-40
“Agora, Senhor, segundo a vossa palavra, deixareis ir em paz o vosso servo, porque os meus olhos viram a vossa salvação, que pusestes ao alcance de todos os povos: luz para se revelar às nações e glória de Israel, vosso povo”.

Meditatio (meditação)

A oração do velho Simeão, que acolhe a Sagrada Família no Templo quando da apresentação do Menino Jesus, é de louvor e agradecimento pela maravilha da salvação. Simeão reconhece o Senhor, Luz do mundo, e põe-se a cantar o grande feito de Deus no mistério da Encarnação. Imagino a cena, favorecendo assim minha meditação: o Templo, Maria e José, Jesus nos braços de Simeão.

Oratio (oração)

Meus olhos, Senhor Deus, veem sem cessar os sinais da nossa salvação, sinais da vossa bondade entre nós. O velho Simeão viu o Senhor Jesus e bendisse o Vosso nome. Eu vejo, Senhor, as Vossas maravilhas ao meu redor: Bendito sois, ó Deus, em todas elas!

Contemplatio (contemplação)

Este canto de Simeão integra todos os dias a oração das Completas, na Liturgia das Horas, rezada ao final de cada dia. Cantar e rezar com Simeão é pôr-se agradecido, no fim de cada dia, recordando as maravilhas que Deus opera diante de nós. Em que lugares, hoje, vi a manifestação da salvação de Deus? Este é um belo exercício para iniciar a oração de louvor.

Missio (missão)

Bendizer a Deus pelas maravilhas que faz entre nós e diante de mim, não só em alguns momentos, mas como uma postura de vida. Ser um cristão que louva e agradece todos os dias faz-me viver mais feliz e torna o meu entorno mais agradável, porque passo a ver o mundo com olhos bendizentes.

Pe. Paulo Stippe Schmitt

Artigo publicado na edição de fevereiro de 2021 do Jornal da Arquidiocese, página 8.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*