pacotes-ferias-de-verao-2013Ano vai, ano vem e no período de férias é onde fazemos a revisão de metas, planejamentos familiares e profissionais. Nesta época, geralmente há muita vontade de não fazer nada, há tempo sobrando e pouco sendo utilizado, há um total desligamento de tudo. Mas, que mal há nisso? Nenhum!

Com certeza é o momento adequado para fazer tudo isso ou na verdade, até mesmo não fazer nada! Hora de sentar na cadeira na praia para admirar o horizonte, deitar numa rede na varanda para descansar, fazer a tão esperada pescaria, colocar as leituras em dia… Enfim, deixar o tempo somente passar.

Mas o essencial é não se desligar de Deus, a fonte que nutre a nossa espiritualidade e nos conduz a busca de uma vida santa. Pois, mesmo em férias, assim como alimentamos nosso corpo – e nessa época geralmente muito bem – precisamos continuar alimentando nosso espírito. Aliás, somos cristãos e temos compromissos que não terminam no final do ano. São compromissos de uma vida toda!

Diz o Documento de Aparecida (209) que “os fiéis leigos são cristãos que estão incorporados a Cristo pelo batismo”, e denomina-os como discípulos e missionários de Jesus, Luz do Mundo. Portanto, esta luz não pode se apagar, esse batismo não pode ser colocado na prateleira.

O profeta Oséias (13,6) nos fala: “Eu os apascentei e eles se saciaram; uma vez saciados, seu coração se exaltou; por isso eles se esqueceram de mim”. E é aí que mora o perigo. Após um ano de caminhada cristã, de vida na Igreja, de graças e bênçãos recebidas, não podemos deixar tudo de lado, numa gaveta fechada, para reabrir só quando desejarmos, depois das férias. E, ainda, com chance de não encontramos a chave!

Precisamos nos manter ligados à fonte, pois Deus nunca tem férias e também não tira férias de nós. Está sempre pronto para nos escutar, acolher e iluminar com seu Santo Espírito. Deus é amor e o amor não tira férias.

Portanto, assim como a respiração é essencial para continuarmos vivendo, o amor que vem de Deus é o alimento da nossa espiritualidade. Papa Francisco afirma que “precisamos passar um pouco de tempo com os familiares e respeitar as férias como momentos de recarga espiritual e física”.

Que bateria estou recarregando nestas férias?

Por: Sarita e Mário Prisco -Pastoral Familiar

Artigo publicado na Revista de Verão 2016, da Arquidiocese de Florianópolis, página 03.

 

 

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*