A carta a Filêmon, tão direta, breve, curta (provavelmente esse comentário irá lhe ultrapassar em linhas), foi redigida por São Paulo, enquanto prisioneiro em Roma, pelos anos 61-63 (outros preferem situar no cativeiro de Éfeso, pelos anos 52-54), para informar ao amigo que seu escravo fugitivo, Onésimo, estaria voltando para casa. O “bilhete” é um pedido para acolher esse escravo “como um irmão amado” (v. 16). Esse é, portanto, um valioso documento de como o cristianismo abala uma perversa estrutura das sociedades antigas: a escravidão.

Filêmon seria um abastado cidadão de Colossos, convertido ao cristianismo por Paulo, talvez em sua estada em Éfeso (anos 53-56). Onésimo era seu escravo e fugiu. Não são conhecidas as razões da fuga, nem de como foi parar em Roma, nem de como conheceu São Paulo, justamente um amigo de seu senhor. Mas Onésimo chegou à fé em Jesus Cristo por meio de Paulo, e a semelhança no nascimento para a fé é fundamento para admoestar a um relacionamento novo.

Pelas leis romanas, o escravo fugitivo deveria ser devolvido ao seu senhor, aguardando-lhe punições severíssimas. São Paulo não transgride e nem questiona diretamente a lei romana e o sistema escravagista (cf. Cl 3,22–4,1; Ef 6,5-9). Mas o amadurecimento das consequências da nova fé cristã, do batismo que faz todos filhos de Deus, fundamenta a base de uma sociedade mais igualitária: “não há …escravo ou livre…, pois todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3,23-29).

O apóstolo argumenta quanto lhe foi útil Onésimo na prisão. Com efeito, Onésimo significa “útil”. Confiante na boa evangelização oferecida a Filêmon, Paulo espera que ele faça muito mais do que pede na carta (v. 21). Filêmon significa “aquele que ama”, e seu nome e sua fé saberão dar a Onésimo um outro tratamento. Paulo dá o exemplo: mesmo sendo seu pai na fé, apóstolo com autoridade de Deus e da Igreja, ele não se impõe para conseguir o que deseja, pois “embora tendo toda a liberdade em Cristo de te ordenar o que convém, prefiro fazer um pedido invocando a caridade” (vv. 8-9).

A missiva é de uma beleza, singeleza, educação, cordialidade, humanismo e caridade únicas. E os novos relacionamentos sociais são apenas consequências concretas da verdadeira liberdade.

Por Pe. Gilson Meurer

Artigo publicado na edição de setembro do Jornal da Arquidiocese, pág. 8.

Clique aqui para ler outros artigos da coluna “Conhecendo as cartas de São Paulo” e do Pe. Gilson Meurer.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*