A 2a carta aos Coríntios se abre com um preâmbulo (1,1-11) onde, após os costumeiros endereços e saudações, o apóstolo eleva a Deus um hino de ação de graças pela sua misericórdia e consolação no seu tormento, tornando-o também um canal de consolação para quem sofre.

Em seguida, S. Paulo justifica a sua conduta e expõe a grandeza do Ministério Apostólico (1,12–7,16). Seu ministério tem sido vivido na “sinceridade” do anúncio de Jesus Cristo (2,17), tornando a comunidade de Corinto a melhor “carta de recomendação” do apóstolo, carta não escrita com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, em “tábuas de carne”, os corações (3,3). O ministério não se é atribuído, mas é uma graça que vem de Deus (3,5), sinal da sua misericórdia (4,1), não para se auto-proclamar, mas para anunciar a Cristo (4,5). Esse tesouro, porém, é portado na fragilidade humana como em vaso de argila, justamente para que se manifeste o poder de Deus (4,7). Como colaborador de Deus, o apóstolo das nações exorta para que acolham a graça de Deus, pois o tempo é favorável: “eis agora o dia da salvação” (6,1-2).

Então, S. Paulo passa a suplicar que, entre tantos dons manifestos dos coríntios, exceda o da generosidade (8,7). A coleta que ele organiza (cc. 8–9), manifesta o ideal paulino da união entre as Igrejas. Preocupação constante do apóstolo, a doação é uma “graça” que permite imitar ao Deus misericordioso, feito na “simplicidade” de quem não espera vantagens nem vanglória, e um “ato justificante”, pois a caridade cobre uma multidão de pecados. “Deus ama a quem dá com alegria” (9,7).

Na terceira parte (cc. 10–13), o tom vicejante de alegria dá espaço a necessidade de responder aos “pseudo-apóstolos” que o acusavam de fraco e ambicioso. Ele sempre trabalhou com amor, gratuitamente, sofrendo até penúria extrema, trabalhando com suas próprias mãos para não ser de peso a ninguém. A contragosto, o apóstolo se vê obrigado a elencar suas virtudes, qualidades, carismas, visões, não para manifestar superioridade, mas para dizer quanto é graça do Senhor aquilo que ele suporta e realiza. Com efeito, é das suas fraquezas que ele se gloria, pois por meio delas a força manifesta todo seu poder (12,9). “Quando sou fraco, então é que sou forte!” (12,10). Na conclusão, breve, ele convida a procurar a perfeição, a encorajar-se, a buscar a concórdia e a paz (13,11-13), deixando uma carta que revela todo seu zelo por essa sua comunidade querida: “experimento por vós um zelo semelhante ao de Deus” (11,2).

Artigo publicado na edição de março de 2019 do Jornal da Arquidiocese, página 08

Por Pe. Gilson Meurer

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*