Celia Maria Schaefer | Foto: Arquivo pessoal

“Tem que ter muito amor, paciência, compreensão. Sem amor não se consegue fazer nada, não somente na Quaresma, mas no ano todo”. Estes são alguns dos ingredientes que a dona de casa Celia Maria Schaefer, da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, de Guabiruba, acrescenta para este tempo quaresmal.

Curso de doces de Natal (Paróquia de Guabiruba) | Foto: Arquivo pessoal

Celia é coordenadora do Serviço de Assistência Social Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, da paróquia, onde atua voluntariamente há 20 anos. Com a morte do filho, aos 20 anos de idade, ela encontrou o sentido para a vida no trabalho da ação social. E a receita para bem viver a Quaresma tem mais ingredientes. “Sem caridade não tem fraternidade. E, como este ano o tema da Campanha da Fraternidade aborda a violência, mais do que nunca, a caridade precisa caminhar junto com a fraternidade”, acrescenta Celia Schaefer.

Na ação social da paróquia são doadas cestas básicas, roupas, utensílios, são oferecidos encaminhamentos para a área da saúde e se promovem cursos de culinária. Para fechar a receita do bolo quaresmal, Celia afirma que a caridade não se vive apenas neste tempo, mas no ano todo. “Tem que viver a espiritualidade, que acaba transbordando no social da fé cristã. Ajudar o próximo que precisa, encaminhar para os órgãos e setores responsáveis, dar um conselho para que a pessoa tenha uma nova vida, tudo isso é muito gratificante”, conclui a voluntária.

Crianças de Guabiruba recebem doações de brinquedos | Foto: Arquivo pessoal

Os 40 dias que antecedem a Semana Santa, chamados de Quaresma, preparam para celebrar a Ressurreição de Jesus, o ápice da fé cristã. “É um tempo forte de conversão, de mudança interior, tempo de assumir tudo o que traz vida para nossas comunidades”, explicou o Reitor do Seminário de Azambuja, em Brusque, Pe. Francisco de Assis Wloch.

A caridade que vem de Brusque

Célia Benvenuti Fantini | Foto: Suelen Frainer

Na sua Regra Pastoral, São Gregório Magno recordava que “o jejum torna-se santo através das virtudes que o acompanham, sobretudo da caridade e de cada gesto de generosidade, que confere aos pobres e aos necessitados o fruto de nossa privação”.

Há 20 anos, Celia Schaefer leva generosidade para a comunidade da paróquia de Guabiruba, por meio das ações sociais e da prática da caridade por amor. Mas ela não está sozinha. Ali perto, na Paróquia Santa Teresinha, em Brusque, outra Célia também vive a caridade na prática.

Celia(de vermelho) no atendimento da Ação Social | Foto: Arquivo pessoal

A professora aposentada, Célia Benvenuti Fantini, é presidente da Sociedade de Promoção Social e Cultural da Paróquia Santa Teresinha. Lá, a Quaresma é o ano todo, em atos práticos de caridade com a doação de alimentos, roupas, fraldas para os mais necessitados, atendimento à gestante. “A gente pode viver uma caridade não somente no doar, mas no escutar, ser solidário, tentar amenizar o problema do outro que pede ajuda, ser gentil, caridoso no falar”, disse Célia Fantini. E prosseguiu: “nesta Campanha da Fraternidade que aborda a violência faz a gente tentar amenizar, de alguma forma, a violência. No nosso trabalho, muitas famílias que chegam até nós, vivem a violência dentro de casa. Por isso mesmo que entre nós, em nosso grupo de 35 voluntárias, procurarmos tratar um ao outro com respeito”, salienta Fantini.

Papa Francisco, na mensagem para a Quaresma de 2018, escreve que “a prática da esmola liberta-nos da ganância e ajuda-nos a descobrir que o outro é nosso irmão: aquilo que possuo, nunca é só meu. Como gostaria também que no nosso relacionamento diário, perante cada irmão que nos pede ajuda, pensássemos: aqui está um apelo da providência divina”.

As duas leigas, das Paróquias de Guabiruba e de Brusque, exercitam na prática esta mensagem do Papa, o ano todo

De Porto Belo, a dimensão política e social do tempo quaresmal

Evaldo Guerreiro Filho| Foto: Arquivo pessoal

Na Quaresma, tempo de forte busca de Deus, de conversão e de fraternidade, a Campanha da Fraternidade também ajuda neste caminho espiritual.

O advogado, esposo de Aline e pai de três filhas, Evaldo Guerreiro Filho, foi entrevistado pelo Jornal da Arquidiocese. Ele acrescenta mais alguns ingredientes da receita de transformação de vida que o cristão pode seguir, não apenas na Quaresma, mas todos os dias do ano.

 Jornal da Arquidiocese (JA): Como viver a Quaresma nas dimensões social e política?

 Evaldo Guerreiro Filho: : A Quaresma é um excelente momento para nos voltarmos às reflexões sociais e políticas, que devem ultrapassar o indivíduo e alcançar as relações que possuímos com nossas famílias, comunidades, nossa cidade e, porque não, com nosso país. A Campanha da Fraternidade é um grande exemplo disso. Todos os anos, a Igreja elege um tema para debater com seus fiéis e com a sociedade. É como se a Igreja colocasse o dedo na ferida e perguntasse: por que existem problemas sociais? Por que há desigualdades e violência? Por que existe miséria? Esse é um papel que a Igreja no Brasil resolveu assumir e é louvável.

Assim, para viver as dimensões do social e da política na Quaresma e em todo o ano, é necessário sairmos da nossa zona de conforto e participarmos da Igreja e da sociedade, em associações de moradores, Conselhos de Direito, CPCs, pastorais, ongs, sindicatos.

 JA: Qual é o engajamento que uma pessoa deve ter, na transformação da realidade?

Evaldo: O engajamento só ocorre com participação, paciência e fé. Não há transformação da realidade sem a compreensão dela. E não falo de estudo ou conhecimento técnico. Muito pelo contrário. É necessário conhecimento que vêm da experiência da vida. Essas mudanças que a realidade precisa tendem a ultrapassar o tempo de nossa vida na terra.

Há séculos aqueles que são mais fortes e mais ricos exploram os mais fracos, que são a maioria. Estas maiorias, por sua vez, precisam fortalecer seus passos nesta caminhada e isso só ocorre com uma tomada de consciência crítica, proveniente da ação e da prática coletiva e das discussões e envolvimento na comunidade.

A Encíclica Laudato Sì, do Papa Francisco, nos traz muitos elementos para adquirir essa consciência crítica. Se observarmos as escrituras, uma das grandes ações de Jesus foi defender os mais fracos.

———————————————————————————————————————–

Ver e conviver como irmãos. Que desafio”!

Diácono Dilney Tadeu Muller | Foto: Arquivo pessoal

O tempo da Quaresma nos instiga a três passos diversos, embora absolutamente complementares e entrelaçados: o jejum, a oração e a esmola. O jejum é o exercício consigo mesmo, buscando vencer seus instintos mais primitivos. A oração é seu contato com Deus. A terceira dimensão, e é disso que queremos tratar brevemente, é a esmola, aquilo que fazemos aos outros, fruto de nosso esforço pessoal.

O tempo quaresmal é, de modo particular, uma escola de amor ao próximo, pois nos leva à dimensão da fraternidade. Fraternidade, palavra tão bonita, como diz antiga canção, significa laço ou parentesco entre irmãos. O lema da Campanha da Fraternidade de 2018 vem nos relembrar o que somos para Deus, não é verdade? Somos todos irmãos (Mt 23,8). Portanto a vivência entre nós pode e deve ser muito mais saudável, para dizer o mínimo.

Incutir nos homens e mulheres de nosso tempo essa ideia é totalmente utópico, mas é de utopia que vive a nossa fé. Aliás, São João nos chama a atenção: se dizemos que amamos a Deus, mas odiamos o irmão, somos mentirosos, pois é impossível amar a Deus que não vemos se odiamos o irmão que vemos (1 Jo4,20).

Está aí, escancarado diante de nós, o desafio! Aproveitemos esse tempo precioso, essa “campanha” (conjunto de esforços para chegar a um fim) da “fraternidade” (amor ao próximo) para estender para todo o ano e para toda a vida o hábito de ver e conviver como irmãos. Que desafio! É para toda a vida, mas vale a eternidade!

 

Por Diác. Dilney Tadeu Muller
Funcionário Público do Porto de Itajaí
Paróquia N. Sra. de Lourdes / Itajaí

Matéria publicada na edição de março de 2018 do Jornal da Arquidiocese, páginas 06 e 07.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*