13º Plano de Pastoral – 2012-2022

OBJETIVO GERAL

Evangelizar,
a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo,
como Igreja discípula, missionária e profética,
alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia,
à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres,
para que todos tenham vida,
rumo ao Reino definitivo (Jo 10,10)

 

Na Igreja de Jesus Cristo, os fiéis são verdadeiros discípulos. Amadurecem constantemente no conhecimento, amor e seguimento do mestre Jesus, aprofundam-se no mistério de sua pessoa, de seu exemplo e de sua doutrina (DAp, 278d), no conhecimento da Palavra de Deus e dos conteúdos da fé (DAp, 226d). Nela cultiva-se o discipulado, a aprendizagem, que tem seu ponto de partida na iniciação cristã. “A iniciação cristã, que inclui o querigma, é a maneira prática de colocar alguém em contato com Jesus Cristo e iniciá-lo no discipulado” (DAp, 288). A formação tem ponto de partida, mas não tem ponto de chegada, pois a formação é contínua, a catequese é permanente. A formação dos discípulos missionários na Igreja de Jesus Cristo é sempre inculturada. “Com a inculturação da fé, a Igreja se enriquece com novas expressões e valores, manifestando e celebrando cada vez melhor o mistério de Cristo, conseguindo unir mais a fé com a vida e assim contribuindo para uma catolicidade mais plena, não só geográfica, mas também cultural” (DAp, 479). Por isso, tudo na Igreja – a catequese, liturgia, a moral, as instituições etc. – tudo deve ser inculturado. A própria Igreja é inculturada. O mistério da encarnação é o fundamento da inculturação. Na encarnação, Jesus, o Filho de Deus, vem do Pai e se insere na história humana, partilhando as alegrias e esperanças, fragilidades e riquezas do povo, assumindo seus sofrimentos e pecados para redimi-los em sua cruz e ressurreição. Jesus inculturou-se na história de seu povo; percebeu e valorizou as potencialidades existentes naquela cultura, bem como suas contradições e conflitos. Inculturar o Evangelho é fazer com que ele penetre no dia a dia da vida, de modo que o povo consiga expressar sua experiência de fé em sua própria cultura. A inculturação é uma exigência do seguimento de Jesus. Em nossa Arquidiocese, devemos semear o Evangelho no contexto da riqueza cultural de nosso povo, fruto da mistura de etnias, da sabedoria na condução da vida e da luta diária pela sobrevivência, a fim de vermos surgir entre nós o rosto de uma Igreja cada vez mais caracterizada com a cultura de nosso povo.

Veja também:

Igreja, comunidade de comunidades (vídeo)
Igreja, casa da iniciação à vida cristã (vídeo)
Igreja, a serviço da vida plena para todos (vídeo)

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*