gráfico homicidiosDados do último mapa da violência (2010-2012) apontam que mais de 2.100 homicídios com arma de fogo, acontecem todos os anos entre a população jovem, na região que compreende a Arquidiocese de Florianópolis. Os números aumentam se considerados outros aspectos da violência.

Confrontado apontadores como esses, surge a pergunta: como resolver isso?

Obviamente que a questão é complexa, mas na busca de levantar o debate, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) proclamou 2015 como o Ano da Paz. O objetivo principal da proposta é “superar as múltiplas formas de violência que agridem a dignidade dos filhos e filhas de Deus e despertar a convivência fraterna entre as pessoas”, descreve o texto-base publicado pela Instituição.

A respeito dos jovens, o tema sugere também discussões em torno das oportunidades na área da educação, da criação e manutenção de projetos sociais e políticas públicas. “É necessário fazer uma ampla discussão entre sociedade e Estado para se chegar efetivamente em soluções e não apenas ficar no assistencialismo”, afirma Pe. Vilson Groh, que há 34 anos dedica-se a projetos sociais com os jovens da periferia.

mapa da violenciaPor falar em políticas públicas, Pe. Vilson chama a atenção para as questões estruturais: “Se a sociedade não criar oportunidades para os jovens, o narcotráfico vai criar. Temos que encontrar alternativas atrativas para que a juventude venha para projetos de educação e cultura”.

A forma de debater o assunto é outro ponto chave na questão. O discurso da sociedade é muitas vezes “punitivo e vingativo”, sinaliza o documento da CNBB. “É preciso mudar a lógica desse pensamento, precisamos pensar mais no preventivo do que no punitivo”, conclui Pe. Vilson.

Para aprofundar a pauta, a Coordenação Arquidiocesana de Pastoral sugere algumas ações como “conhecer o mapa da violência do município/paróquia; promover encontros, seminários; abordar o tema da paz na catequese”, entre outras. Além disso, acontece no dia 04 de outubro, a Manifestação Nacional pela Paz.

 

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*