“Eis o tempo de conversão”

Entramos na Quaresma. Tempo de esperas e memórias, tempo que transcende épocas antigas e faz pensar. Tempo de saudades, de descobrir no mosaico da vida todos os detalhes que a fazem valer a pena. Tempo de silêncio.

Como não recordar a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo que traído, humilhou-se para redimir o homem? Na Liturgia das Horas (Ofício das Leituras – Segunda Leitura – Sábado Santo), é como se Jesus falasse: “Vê em meu rosto os escarros que por ti recebi; para restituir-te o sopro da vida original. Vê nas minhas faces as bofetadas que levei para restaurar, conforme à minha imagem,  a tua beleza corrompida. Vê em minhas costas as marcas dos açoites que suportei por ti, para retirar dos teus ombros os pesos dos pecados”.

Mas, apesar disso, a Quaresma não é tempo de tristezas. Pelo contrário, é tempo de alegria, pois com Cristo, que após a morte se tornou o Ressuscitado, sabe-se que sofrimentos não são estados definitivos. A Quaresma não é para ser entendida como sofrimento, mas sim como tenro respeito ao Divino Esposo.

Cristo espera a conversão do homem. Confira três exemplos de jovens que buscaram a conversão a partir de um encontro com Cristo. E nunca mais foram os mesmos.

Iniciado na vida católica

O engenheiro mecânico Filipe filipeMendes nasceu e foi criado na igreja evangélica, mas do dia 17 a 20 de maio de 2012 realizou o 79º retiro de Emaús Masculino da Arquidiocese de Florianópolis.

“Após o retiro e todos os momentos incríveis que vivemos no Morro das Pedras, eu e meu irmão (Tiago) optamos por nos batizar na Igreja Católica. Meu batismo foi indiscutivelmente o marco mais importante da minha vida. Um ato de amor e muita renovação, de efeitos transformadores e irreversíveis”, conta Filipe.

Aos poucos o jovem de 25 anos foi conhecendo e se aprofundando na crença que escolheu viver, ingressando no grupo de jovens São João Batista que se reúne semanalmente.

Jesus Eucarístico também se tornou parte fundamental da vida de Filipe. “A Eucaristia! Este é um momento de muito amor que desfrutamos na presença do Pai e só podemos alcançar a partir do Batismo”, completa.

bruno hariO amor como alavanca

Em uma passagem do Evangelho de João recorda-se o encontro entre Jesus e a Samaritana, onde Ele explica: “[…] O que beber da água que eu lhe der jamais terá sede” (Jo 4,14). Dito e feito. Bruno Barbosa, empresário de 28 anos, provou da Água Viva e percebeu as maravilhas que esta decisão trouxe para sua vida.

“Minha conversão foi muito importante para meu relacionamento com minha esposa. A partir da conversão comecei a querer constituir uma família, noivamos e hoje estamos muito bem casados”, relata Bruno.

Hariane e Bruno são casados desde dezembro de 2014, e assumem ter um relacionamento a três: entre eles e Cristo.

“Na nossa união sempre colocamos Deus nas decisões, na união, no amor! A partir do meu Batismo começamos a ter um relacionamento de castidade e Deus conosco, nas decisões para recebermos o Sacramento do Matrimônio”.

Cristo nas pequenas coisasmarchese

São Josemaría Escrivá, no livro “É Cris­to que Passa” escreve: “O cristianismo não é um caminho cômodo; não basta estar na Igreja e deixar que os anos passem. Na nos­sa vida, na vida dos cristãos, a primeira con­versão […] é importante; mas ainda mais im­portantes e mais difíceis são as conversões sucessivas”.

Marcelo Marchese, engenheiro têxtil de 42 anos, testemunha sua conversão. Ao co­meçar a participar há seis anos das ativida­des na Paróquia Santa Inês, em Balneário Camboriú, sentiu-se tocado por Deus que veio ao seu encontro.

Ele testemunha: “Conversão significa uma mudança de direção na vida, de valores e atitudes. É o momento em que passamos a conhecer um novo modo de vida, onde en­contramos a verdadeira alegria por estar vi­vendo nossa busca de seguir os caminhos de Deus”.

Atualmente, Marcelo participa do Minis­tério da Intercessão do grupo Emanuel e é Ministro Extraordinário da Comunhão Eucarística na Paróquia.

Matéria publicada na edição nº 210, de março de 2015, do Jornal da Arquidiocese, pág. 7.
Foto 1: Renata Ferla
Foto 2: Ana Correa

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*