Os dados biográficos que conhecemos sobre os pais de Maria, avós de Jesus de Nazaré, foram legados pelos livros apócrifos, especialmente o Proto-Evangelho de Tiago. Também há relatos no Evangelho do Pseudo-Mateus e no Livro da Natividade de Maria, ligados ao Proto-Evangelho de Tiago.

Muitos relatos acompanham a história de Sant’Ana (filha de Emerencia e Estolano) e São Joaquim (filho de Sebhrath e Matã). Na época das Cruzadas, na Idade Média, aparecem relatos de sagradas relíquias dos avós de Jesus, especialmente sobre as de Sant’Ana.

O nome Ana, do latim Anna, provém do hebraico e quer dizer ‘aquela que encontrou misericórdia’, ‘graciosa’. É a abreviatura de Hananiah – Javé compadeceu-se. Donde provém igualmente o nome masculino Ananias. Do latim Anna: idosa, respeitável. Outros afirmam que o significado do nome pode ser ‘aquela que se levantará novamente’.

O nome Joaquim provém do hebraico e tem algumas versões: O elevado por Jeová – Deus; Deus o exaltou; preparado por Deus, estabelecido por Deus; Deus construirá.

Joaquim e Ana não tinham filhos, e um dia Joaquim, na Festa da Dedicação do Templo, fora censurado pelo sacerdote Rúben por não ter filhos. Incomodado com a observação, ele saiu para a região montanhosa, perto de Jerusalém, onde os pastores e seus rebanhos estavam e clamou a Deus. Resolveu fazer 40 dias de jejum e oração, ao final da penitência, um anjo lhe apareceu e disse que o casal iria ter uma menina. O casal deu-lhe o nome de Miriam – Maria, que significa Senhora da Luz, amada de Deus e escolhida por ele. Ela é a mãe de Jesus.

Os avós hoje

Durante uma missa na Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, em 2013, o Papa Francisco pediu que ‘o Senhor abençoe os avós’ e lhes permita ‘envelhecer com sabedoria e dignidade’ para transmiti-la aos outros.

Os avós são uma graça que nem sempre nossa sociedade sabe valorizar. Lembramos que eles, livres da pressa e do rendimento do trabalho, ensinam-nos a apreciar as coisas com gratidão e sabedoria. Marcados pela vida, guardam na memória ensinamentos do passado que previnem erros do futuro. São, no seu testemunho de oração constante e de resistência pacífica, uma verdadeira escola do Evangelho.

‘Não desprezes os ensinamentos dos anciãos, dado que eles os aprenderam com seus pais’ (Ecl 8,11)”.

Na Arquidiocese há duas paróquias com o título de Sant’Ana: em Canelinha e no bairro de Colônia Sant’Ana, em São José. São Joaquim tem uma paróquia: Garopaba (1830), e uma capela: a da Armação do Pântano do Sul (1777), onde é co-padroeiro junto com Sant’Ana.

Por Pe. Flávio Feler – Vigário da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, Ingleses, Florianópolis

Artigo publicado na edição de julho de 2019 do Jornal da Arquidiocese, pág. 8.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*