Caríssimos irmãos e irmãs do Seminário Convívio Emaús e da Pastoral Vocacional,

Nesta hora de despedida da reitoria do Seminário e da coordenação da Pastoral Vocacional, quero agradecer-vos de coração toda a estima e proximidade com que me acompanhastes, desde que fui nomeado para essas missões delicadas e apaixonantes, em 01 de janeiro de 2009.

Levarei comigo e em ação de graças as mil e uma expressões da amizade com que me recebestes e ajudastes no exercício desses serviços. Nas 501 comunidades em que celebrei a Eucaristia, nas famílias dos vocacionados e seminaristas que visitei, nas várias pastorais e movimentos em que preguei, nas equipes vocacionais paroquiais e forâneas que animei e nos encontros vocacionais que coordenei, encontrei sempre o mais generoso acolhimento e a vontade firme de servir a causa vocacional. Em tempos tão exigentes como os que atravessamos, todas essas realidades a que dais corpo e alma são a melhor garantia daquele futuro cheio de comunhão, participação e missão que, com o Papa Francisco, sonhamos para toda a Igreja.

Quando cheguei, em 2009, trazia um só propósito e programa: conhecer, servir e amar as pessoas ligadas ao Convívio Emaús e à Pastoral Vocacional Arquidiocesana. Com a graça de Deus, algo se cumpriu de tal desiderato. Conheci-vos de perto, servi-vos como pude e com estima que permanece, em perpétua gratidão. Em tudo foi da maior valia a colaboração de muitos, começando pelos Senhores Bispos que confiaram no meu trabalho: Dom Murilo, que me nomeou; Dom Wilson, que sempre me acompanhou de perto; e Dom João Salm, que colocou aos nossos cuidados os seminaristas da Diocese de Tubarão. Com eles, os membros do Conselho de Formação, os formadores das outras etapas (Menor, Propedêutico e Discipulado), os professores da FACASC, os supervisores de pastoral, as psicólogas, os dedicados colaboradores da casa e os generosos benfeitores, que, com suas orações e partilhas de bens, sustentam
a nossa missão.

Referência especialíssima quero fazer aos padres, aos diáconos, às consagradas e aos consagrados, incansáveis na sua dedicação ao serviço cotidiano do Povo de Deus e no testemunho que suscita novas vocações. Saliento também os fiéis leigos e leigas que colaboram ativamente como ardorosos animadores vocacionais. Grande e bela é a Arquidiocese de Florianópolis, na imensa aplicação dos seus membros ao serviço de Deus e do próximo!

Ao longo desses muitos anos de serviço no Seminário Convívio Emaús, acompanhei diretamente o processo formativo de 65 jovens, dos quais 38 já foram ordenados padres, 4 estão com ordenações marcadas, 13 fizeram o discernimento por outras vocações, 9 permanecem em formação na Etapa Configuradora e 1 foi chamado à casa do Pai.

Aos seminaristas que acompanhei, o coração sente a necessidade de dizer algo mais: amei-vos com amor de pai espiritual e de irmão em humanidade e na fé. De vós recebi a abertura de coração, a colaboração generosa e o entusiasmo juvenil da vossa vocação. Quero que compreendais que vou partir com saudades, pois, como diz Santo
Agostinho, “Não se deixa sem dor aquilo que se possuiu com amor”.

É por tudo isso que vos quero reiterar uma palavra de agradecimento e de bons votos, que traduzirei em oração por todos e cada um de vós, as vossas comunidades e famílias. O coração não tem distância, só profundidade acrescida. Continuaremos juntos, no coração de Deus.

Peço-vos que, a partir de agora, continueis caminhando em unidade com o novo reitor do seminário, Pe. Gilson Meurer, e com os novos coordenadores da Pastoral Vocacional Arquidiocesana, Pe. Clóvis Martins e Pe. Eduardo Cardozo de Senna. Que eles contem com a vossa total colaboração e sintam o vosso afeto.

Sempre vosso amigo e irmão,

Pe. Vânio da Silva
Florianópolis, 24 de janeiro de 2022

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*