Lectio (leitura)

Disse Jesus: “‘Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne é verdadeira comida, e o meu sangue, verdadeira bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele’” (Jo 6,54-56).

Meditatio (meditação)

Depois de saciar a fome do povo através do sinal da multiplicação dos pães, Jesus faz um belo e profundo discurso sobre o pão da vida. Cristo se revela como “o pão vivo descido do céu” (Jo 6,51), dom salutar entregue a nós pelo Pai. O pão que Jesus nos oferece é sua própria carne dada como alimento; seu sangue redentor é verdadeira bebida. Carne e sague remetem à totalidade de sua pessoa. Para ter vida, e vida em abundância, é preciso se alimentar do Cristo. Nutridos pela sua presença real no banquete eucarístico, memorial de sua paixão, morte e ressurreição, nos unimos a Cristo: permanecemos nele e Ele permanece em nós (Jo 6,56). Comungando do Corpo e Sangue do Senhor, também nós formamos um só corpo por meio do seu Espírito. Mistério de nossa fé, a Eucaristia, antecipação das alegrias celestes, é a certeza de que Jesus permanece conosco para sempre.

Oratio (oração)

“Bom pastor, pão de verdade, piedade, ó Jesus, piedade, conservai-nos na unidade, extingui nossa orfandade, transformai-nos para o Pai” (Sequência da Solenidade do Corpo e do Sangue de Cristo).

Contemplatio (contemplação)

Convidados para a Ceia do Senhor, contemplemos o Cristo presente nas espécies do pão e do vinho consagrados.

Missio (missão)

Somos uma Igreja que vive da Eucaristia. Peregrinos neste mundo, necessitamos do alimento que nos nutre em nossa jornada. Cristo, pão descido do céu, é nosso viático, o sustento dos viajantes. Como discípulos missionários do Senhor, temos a tarefa de partilhar o pão de cada dia com os mais necessitados. Mas como não vivemos apenas do pão que perece, é preciso apresentar ao mundo o Pão que nos dá a vida em plenitude: o Cristo nos sinais de sua Palavra e de seu Corpo e Sangue. Peçamos ao Pai que nunca nos falte deste pão.

Por Pe. Wellington Cristiano da Silva

Artigo publicado na edição nº 235 do Jornal da Arquidiocese

Junho de 2017

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*