p_5_ dom-Oscar-RomeroNo dia 23 de maio acontece a cerimônia de beatificação de Dom Oscar Romero, antigo Arcebispo de El Salvador, que será presidida pelo Cardeal Angelo Amato, prefeito da Congregação para as Causas dos Santos (Santa Sé). A estimativa é que cerca de 250 mil fiéis participem da celebração, que ocorrerá na capital do país, em San Salvador.

O Papa Francisco autorizou, no dia 03 de fevereiro deste ano, a publicação do decreto que reconhece o martírio de Dom Oscar Romero, assassinado na Missa de Domingo de Ramos, na Colônia Miramonte, em San Salvador, capital salvadorenha. Neste decreto, Francisco também reconheceu o martírio de dois franciscanos polacos, Michele Tomaszek e Sbigneo Strzalkowski, e do sarcerdote italiano Alessandro Dordi, mortos no Peru, em 1991, pelo grupo de guerrilha Sendero Luminoso.

Breve histórico 

Oscar Armulfo Romero nasceu em 15 de agosto de 1917, em Ciudad Barrios, em El Salvador. Foi ordenado padre aos 25 anos e bispo aos 53. Retornou a El Salvador, na função de pároco. Era um sacerdote generoso e atuante: visitava os doentes, lecionava religião nas escolas, foi capelão do presídio, os pobres e carentes faziam fila na porta de sua casa paroquial, pedindo e recebendo ajuda. Durante 26 anos, Pe. Oscar Romero conheceu a miséria profunda que assolava seu pequeno país.

Nomeado em 1977 arcebispo da capital, San Salvador, colocou-se ao lado do sofrimento do povo e das pessoas que lutavam em defesa dos direitos humanos. Passou assim a denunciar corajosamente, nas homilias dominicais, a repressão do regime militar e as atrocidades cometidas pelos esquadrões da morte, manifestando publicamente sua solidariedade com as vitimas da violência política.

Na homilia de 23 de março, o Arcebispo se dirige explicitamente aos homens do Exército, da Guarda Nacional e da Polícia e afirma: “Frente à ordem de matar seus irmãos deve prevalecer a Lei de Deus que afirma: não matarás! Ninguém deve obedecer a uma lei imoral. Em favor deste povo sofrido, cujos gritos sobem ao céu de maneira sempre mais numerosa, suplico-lhes, peço-lhes, ordeno-lhes em nome de Deus: cessem a repressão!”. Estas foram as últimas palavras registradas do religioso ao país.

No dia 24 de março de 1980, Dom Romero foi fuzilado, em meio aos doentes de câncer e enfermos, enquanto celebrava uma Missa na capela do Hospital da Divina Providência, na capital de El Salvador, por um atirador de elite do exército salvadorenho. Estava em plena Eucaristia pedido “que este Corpo e este Sangue nos alimentem para entregarmos também o nosso corpo…” quando caiu baleado, detrás do altar, aos pés do grande Crucifixo.

Sua morte provocou uma onda de protestos em todo o mundo e pressões internacionais por reformas em El Salvador. Mártir da Igreja pela justiça, Romero é considerado “santo” pelo povo salvadorenho e pelas comunidades eclesiais de base de toda a América Latina que atuam ao lado dos mais desfavorecidos.

Por: Fernando Anísio Batista

Artigo publicado na edição nº 212 do Jornal da Arquidiocese

Maio de 2015

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*