4aa1c2e0-4b72-40c2-b681-26fc2a6ca273

Imagem 2D é apresentada com alegria no Ipiranga em São Paulo

Devotos de Santa Paulina e fiéis de todo o Brasil poderão conhecer a partir deste domingo, 20 de dezembro, a escultura mais realista já feita da face de Santa Paulina, que será apresentada em uma Celebração Eucarística Solene, realizada no Santuário Santa Paulina, em Nova Trento, às 09h45 e transmitida ao vivo, pela Rede Século 21.

Para os telespectadores, o design autor da obra, Cícero Moraes, dará uma entrevista ao vivo, no programa ‘Voz do Santuário’, transmitido pela mesma emissora, às 09h30. Entrevistado pela apresentadora, Ir. Neusa Santos, Moraes vai explicar como foi realizado o trabalho de reconstrução, desde a escolha por Santa Paulina, até a fase de pintura realizada pela artista plástica Mari Bueno.

O trabalho realizado em tecnologia 3D e considerado o mais realista já feito da religiosa, foi desenvolvido pelo designer 3D, Cícero Moraes, da Academia Brasileira de Hagiologia (ABRHAGI), acompanhado pelo advogado e hagiólogo, José Luís Araújo Lira, e as Irmãs Roseli Amorim (Coordenadora Geral) e Terezinha da Silva (Conselheira Geral).

Além da reconstrução facial de Santa Paulina, Moraes foi responsável pela reconstituição de Santa Maria Madalena e Santo Antônio de Pádua. Santa Paulina é a primeira Santa do Brasil a ter a face reconstituída com a tecnologia tridimensional do design.

Já finalização da obra, foi realizada pela artista plástica Mari Bueno, com a técnica óleo sobre tela, que deu cor a nova face da Santa, a partir de referências e relatos de algumas das Irmãs da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição. Maria Bueno também foi a artista responsável pela pintura da face de Santo Antônio de Pádua.

Ir. Roseli Amorim, coordenadora geral da congregação fundada por Santa Paulina, apresentou às Irmãs mais idosas da congregação, o trabalho que foi aprovado e contemplado com muita emoção e alegria. Algumas irmãs, que inclusive tiveram a oportunidade de conhecer Santa Paulina no final de sua vida, ficaram extremamente emocionadas com a perfeição.

Em São Paulo, na sede geral da Congregação, localizada no bairro Ipiranga, uma versão em 2D foi apresentada no último dia 13 de dezembro, em uma Celebração Eucarística, presidida por Dom José Roberto, bispo auxiliar da Região do Ipiranga, na Capela Sagrada Família e Santa Paulina.

A apresentação da reconstrução da face de Santa Paulina dá início às comemorações que devem marcar o aniversário de 150 anos do nascimento de Amábile Lúcia Visintainer, Santa Paulina, completados na última quarta-feira, 16 de dezembro.

0c888c23-9ec2-4086-83b6-e27c6565885f

Design Cícero Moraes no processo de desenvolvimento do trabalho

Para Ir. Roseli, as comemorações são motivos de grande alegria. “Celebrar os 150 anos do nascimento de Santa Paulina é dar graças a Deus pelo dom da vida e a missão realizada pela nossa Fundadora, a primeira Santa do Brasil”.

Conheça a história de Santa Paulina

16 de dezembro de 1865 – Nasce Amábile Lúcia Visintainer, filha de Antônio Napoleone Visintainer e Anna Pianezzer, em Vigolo Vattaro, Trentino Alto Ádige, Itália.

Outubro de 1875 – Amábile e seus pais chegam a Santa Catarina, no Brasil, junto com a primeira leva de imigrantes para este Estado.

12 de Julho de 1890 – Amábile funda a Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, em Vígolo, Nova Trento (SC).

07 de dezembro de 1895 – Amábile faz seus votos religiosos e passa a ser conhecida como Irmã Paulina do Coração Agonizante de Jesus, a Madre Paulina.

02 de fevereiro de 1903 – Madre Paulina transfere-se para São Paulo, onde inicia a obra da “Sagrada Família”, ajudando filhos de ex-escravos e idosos, no bairro Ipiranga.

29 de agosto de 1909 – Madre Paulina acaba deposta de seu cargo de superiora geral, sendo transferida para Bragança Paulista.

Setembro de 1909 – Em Bragança Paulista,  Madre Paulina trabalha como lavadeira, faxineira e enfermeira, cuidando de doentes e inválidos.

1918 – Madre Paulina retorna para São Paulo.

19 de maio de 1933 – Recebe o Decreto de louvor de sua obra, concedido pelo Papa Pio XI.

18 de março de 1938 – O braço direito da Madre, que era diabética, é amputado.

09 de julho de 1942 – Madre Paulina morre, aos 76 anos.

23 de setembro de 1966 – Eluíza Rosa de Souza (Imbituba-SC) sobrevive a uma hemorragia interna e choque irreversível. Em seu peito foi colocado um pedaço de roupa de Madre Paulina e ela foi curada.

18 de outubro de 1991 – Madre Paulina é Beatificada, em Florianópolis, por João Paulo II.

5 de junho de 1992 – Iza Bruna Vieira de Souza nasce com um tumor da cabeça. Operada, sofre convulsões cerebrais e, aparentemente, sem chance de sobreviver. A avó coloca um retrato de Madre Paulina perto da menina. Em 24 horas, depois de ser batizada, a menina recupera a saúde.

19 de maio de 2002 – Madre Paulina é Canonizada, na Praça de São Pedro, e passa a ser chamada de Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus.

 

 

Por: Andrieli Minatti – Assessoria de Imprensa – Santuário Santa Paulina

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*