Altar da Matriz da Paróquia São Judas Tadeu, de Brusque

Altar da Matriz da Paróquia São Judas Tadeu, de Brusque

Nesta sexta-feira, 28,  marcando a festa litúrgica do padroeiro, o apóstolo e mártir São Judas Tadeu, o Arcebispo Dom Wilson Tadeu Jönck, scj, na Missa das 19h na Paróquia do bairro de Águas Claras, em Brusque, solenemente dedicará a nova Igreja Matriz, os objetos litúrgicos, abençoará e consagrará o Altar, que será ungido, juntamente com as paredes, com o Santo Crisma.

Sacerdote do Pontifício Instituto das Missões Exteriores (PIME) e pároco da Paróquia São Judas Tadeu, Pietro Anderloni, explica que “a construção de uma nova igreja requer a celebração de um rito solene, no qual se implora a bênção de Deus para que o lugar seja sinal visível para os fiéis de uma casa de adoração ao Senhor”. Padre Pietro sublinha que “o rito tem um simbolismo muito forte com a vida cristã: a aspersão de água benta, a unção do Altar e das cruzes, o incenso, a vela, a ornamentação do Altar, tudo faz lembrar que somos templos do Senhor, ungidos e iluminados para ser luz no mundo”.

O Diácono Permanente Germano Rodolfo Borchardt afirma que a Igreja, “desde que construída como edifício destinado unicamente e de modo estável a reunir o povo de Deus e a realizar os atos sagrados, torna-se casa de Deus. Por isso, de acordo com antiquíssimo costume da Igreja, convém que seja dedicada ao Senhor mediante rito solene”.

Já o historiador Paulo Vendelino Kons ensina que o “termo ‘dedicação’ pode ser entendido também como consagração, sagração ou inauguração. Toda igreja consagrada deve assumir um título que pode ser dedicado a Santíssima Trindade, a Jesus Cristo ou a Virgem Maria, tendo estas invocações introduzidas na Sagrada Liturgia, ou aos Santos Anjos e aos santos inscritos no Martirológico Romano”.

Rito de Dedicação da Igreja Matriz e do Altar

Após a homilia, terá início o rito de dedicação. O Altar será ungido com os Santos Óleos pelas mãos do Arcebispo Metropolitano Dom Wilson.  Em seguida haverá a consagração da Igreja, na qual o Arcebispo ungirá todas as cruzes das estações da Via-Sacra, o que significa que o Templo é dedicado exclusivamente e para sempre ao culto cristão.

Após será realizada a insensação do Altar. A queima do incenso significa o sacrifício de Cristo e também é utilizada para expressar que o sacrifício da Igreja e as orações dos fiéis chegam a Deus. Em seguida ocorrerá o revestimento do Altar, que indica que aquele local é Altar do sacrifício e, ao mesmo tempo, a mesa do Senhor, onde são celebradas a morte e ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. Por fim a iluminação do Altar, à qual se segue a iluminação da igreja, quando Dom Wilson acenderá velas para recordar que Cristo é a “Luz para se revelar às nações”, por cuja claridade resplandece a Igreja e por ela toda a família humana. Após o rito, o arcebispo prosseguirá com a liturgia eucarística.

Dom Wilson ensina que a oração de dedicação tem o objetivo de indicar que a igreja é dedicada a Deus. O templo é o lugar privilegiado de encontro com Deus, onde se recebe o tesouro da fé, partindo do Batismo. “Dedicar e consagrar a Igreja é reconhecer confiantes este desígnio e amor de Deus Pai, Filho e Espírito Santo para conosco, e que ele age e é presente na História por meio de sua Igreja”, sublinha o Arcebispo.

Por: Paulo Vendelino Kons – Historiador / Brusque

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*