Edmundo (D) com sua esposa, Maria Cristina, junto com a família | Foto: Arquivo Pessoal

Em agosto de 1974, Monsenhor Francisco de Salles Bianchini trouxe para Florianópolis o Curso de Valores Humanos e Cristãos do Movimento de Emaús. O objetivo do retiro do Emaús é formar e desenvolver líderes comunitários, que posteriormente atuarão nas paróquias de origem.

Nestes mais de 43 anos, muitos jovens, hoje adultos e casados, puderam vivenciar Cristo em meio ao movimento. O servidor público Edmundo Simone Neto, 64 anos, participou do primeiro curso masculino. Ele conheceu a esposa, Maria Cristina Campos Simone, no movimento, no qual tiveram três filhos, Luiz Otávio, Maria Augusta e Luiz Henrique. “Por formação familiar, posso afirmar que o Emaús foi a reciclagem que tirou minha roupa de Primeira Comunhão, revestindo-me com a roupa de um novo cristão”, disse Edmundo.

É muito comum os filhos participarem do Emaús. O estudante João Henrique Campos Simone, 25 anos, filho de Edmundo, atualmente também participa. Ele conta que se não fosse “o movimento de Emaús, a minha família não existiria, pois meus pais não se conheceriam”. O estudante, que atualmente participa do Grupo de Jovens Sagrado Coração de Jesus, demonstra carinho muito grande pelo movimento e explica que desde criança acompanha os pais nas reuniões de grupos de jovens. “Quando era pequeno, queria entrar em algum grupo de jovens e discutir mais sobre nossa religião, que é tão rica e maravilhosa”, finaliza João.

Geralmente, os filhos começam a se envolver com o movimento depois dos pais, mas a história do atual presidente do Emaús de Florianópolis, Edvaldo Antonio Klokner, é diferente. O engenheiro, que é casado com a psicóloga Jaqueline Dornelles Klokner, conta que sempre foram participantes ativos da igreja. Quando os filhos do casal começaram a entrar na fase da adolescência, Edvaldo e Jaqueline perceberam que o Movimento Emaús era uma boa opção para os adolescentes participarem da Igreja. Com o ingresso dos filhos nos grupos de jovens do movimento, o casal começou a acompanhar os filhos e então receberam o convite para também participarem. “Fomos convidados para ser casal orientador de um grupo e, aos poucos, começamos a participar de algumas atividades e retiros, do secretariado, e, há três anos, fomos eleitos casal presidente”, comenta Edvaldo.

Matéria publicada no Jornal da Arquidiocese, página 11, edição de junho de 2017

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*