Oração, diálogo e perdão são algumas dicas do Papa Francisco para as famílias, na mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais

 

DSCN0418

A jovem mãe Cristiane diz superar as lutas em Deus.

A mamãe Cristiane Schmitz conta que quando rezava e cantava para José Miguel – hoje com dois meses de vida – durante a gravidez, ele se mexia. “Desde o primeiro filho, pedi para ter uma gravidez abençoada. E sempre busquei me comunicar com cada um dos meus três filhos, desde quando estavam no meu ventre”, comenta a jovem senhora casada há 12 anos com João Paulo Voges.

A partir do relato de Cristiane, percebe-se “a comunicação como um diálogo que se tece com a linguagem do corpo”, como indica o Papa Francisco, na mensagem para o 49º Dia Mundial das Comunicações Sociais que teve como tema, “Comunicar a família: ambiente privilegiado do encontro na gratuidade do amor”, celebrado no dia 17 de maio.

O casal Cristiane e João Paulo participa da Renovação Carismática da Paróquia de Santo Amaro da Imperatriz. Cristiane diz que “manter a família não é fácil, são muitas dificuldades e lutas, todos os tipos de crises, mas em Deus conseguimos superar”.

Na continuação da mensagem, o Papa explica que o ventre é a primeira ‘escola’ de comunicação, feita de escuta e contato corporal, onde se começa a familiarizar com o mundo exterior em um ambiente protegido e ao som tranquilo do pulsar do coração da mãe. “Este encontro entre dois seres simultaneamente tão íntimos e ainda tão alheios um ao outro, um encontro cheio de promessas, é a nossa primeira experiência de comunicação”.

 Assim fez a mamãe Cristiane durante a gravidez dos filhos, marcada pela intimidade com os bebês, em uma primeira experiência de comunicação.

Desde 2012, quando aconteceu a Assembleia Arquidiocesana de Pastoral, ficou definido que a família é o eixo transversal da ação evangelizadora para o primeiro período de vigência do Plano de Pastoral da Arquidiocese de Florianópolis. Desde então, o trabalho pastoral voltado à família procura englobar todos os movimentos, pastorais e serviços ligados à família em uma ação evangelizadora de conjunto, para que as forças se unam no sentido de cuidar precisamente da família.

A família deve ser também o contexto onde se transmite a forma fundamental de comunicação que é a oração. “A maioria de nós aprendeu, em família, a dimensão religiosa da comunicação, que, no Cristianismo, é toda impregnada de amor, o amor de Deus que se dá a nós e oferecemos aos outros”.

Karla e Jair são de Natal e moram com a família em Florianópolis há dois anos.

Karla e Jair são de Natal e moram com a família em Florianópolis há dois anos.

Esta parte do texto de Francisco, a administradora Karla Duarte viveu na prática, a oração em família. Por um determinado tempo, ela rezava o terço da misericórdia às 15h com aqueles da família que estavam em casa. “Também consagrei a Nossa Senhora minhas gestações. A comunicação, o diálogo, sempre têm Deus no meio”, explica Karla que é casada com Jair Duarte há 16 anos e pais de três filhos. A família é de Natal, Rio Grande do Norte e mora em Florianópolis há dois anos. Eles participam da Paróquia Nossa Senhora da Glória, Balneário do Estreito. Karla afirma que “Deus nos escolheu. Quem nos escolheu não vai estar presente? Tem que estar. A terceira pessoa lá em casa é Deus”.

O amor se comunica de várias maneiras

Ivano Alves Pereira, casado com Simone Pereira, ambos fundadores da Comunidade Católica Abbá Pai, afirma que Deus sempre se comunica, desde a origem, e à medida que Ele cria, Ele se comunica. A Comunidade tem como carisma proclamar o amor, a misericórdia do Pai pela santificação dos relacionamentos familiares.

O fundador explica que há muitos meios de se comunicar, mas há pouca comunicação entre as pessoas, não se olham mais. Mais do que conhecer uma pessoa, você tem que ter sentimento por ela. “Mais do que conhecer Jesus, preciso ter um sentimento por Ele. Comunicar a família, mostrar para nossos filhos o que é vital. E vital para a família é a presença de Deus”, lembra Ivano.

Ele ressalta que se deve aprender a se comunicar com o amor que é Deus. Na vida de Jesus, o anjo veio comunicar a Maria.

“A comunicação faz parte da salvação. Cada um aprende a se comunicar de forma diferente na família. O amor tem várias maneiras de se comunicar. A gente tem que aprender a linguagem do amor”, destaca.

Em outro ponto da mensagem do Papa Francisco, percebe-se o mesmo sentido que o fundador da Comunidade Abbá Pai descreveu. Na família se tem a capacidade de abraçar, decifrar olhares e silêncios, rir e chorar juntos, entre pessoas que não se escolheram, mas são importantes umas para as outras. “É sobretudo essa capacidade que nos faz compreender o que é verdadeiramente a comunicação enquanto descoberta e construção de proximidade”, cita o Papa.

Vera e o esposo Gilberto com os filhos João Vitor e Luiz Antonio.

Vera e o esposo Gilberto com os filhos João Vitor e Luiz Antonio.

A família é a estrutura do mundo. “Sempre lutei pelo diálogo entre nós. Estamos em busca de conhecer quem está ao lado da gente. Na hora do conflito, quem vai falar é o meu silêncio”, disse a vendedora Vera Lúcia Joenck Hoffnann, da Paróquia São Francisco de Assis, em Forquilhinhas, São José. Ela é casada com Gilberto há 24 anos e têm dois filhos.

O Papa cita que a família precisa aprender a enfrentar os conflitos de forma construtiva. “A família onde as pessoas, apesar das próprias limitações e pecados, se amam, torna-se uma escola de perdão. O perdão é uma dinâmica de comunicação”.

Na família é preciso "saber compreender", atesta Irineu.

Na família é preciso “saber compreender”, atesta Irineu.

Em 44 anos de casados, o casal Irineu Serafim Ventura e Laura Maria de Sousa Ventura, Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão, da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Coqueiros, “nunca precisou pedir perdão ao outro. O saber entender, compreender. Nem tudo são flores, mas tem horas que tem que superar”, afirmou Irineu.

Francisco diz que “a família é viva, não se encerrar no próprio apartamento; sair, ir ter com o outro”. Diante desta afirmativa, Irineu Ventura exemplifica ainda que se não se une em casa, não se une com os de fora.

“A gente participa dos grupos da Igreja, novenas nas casas, Apostolado da Oração, estes são também nossa família”.

"Faz parte da nossa missão de pais, comunicar o bom caminho".

“Faz parte da nossa missão de pais, comunicar o bom caminho”.

Há 21 anos de matrimônio, o casal Silvana e Geraldo Leite, da Paróquia São Judas Tadeu e São João Batista, Ponte do Imaruim, em Palhoça, enfatiza que a família deve dialogar bastante, sempre orientar. “Faz parte da nossa missão como pais, comunicar o bom caminho, saber o que os filhos estão vivendo, tentar fazer o melhor possível”.

Nesta primeira escola de comunicação que é a família, o Sumo Pontífice conclui a mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais ao afirmar que a família é o lugar onde todos aprendem o significado de comunicar no amor recebido e dado. “A família mais bela, e não problema é aquela que, partindo do testemunho, sabe comunicar a beleza e a riqueza do relacionamento entre o homem e a mulher, entre pais e filhos”.

Matéria principal publicada no Jornal da Arquidiocese, edição nº 213, junho de 2015

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*