Ao adentrar no Tempo Quaresmal, a Igreja no Brasil, propõe a vivência da caridade aos fiéis de todo país através da reflexão do tema da Campanha da Fraternidade (CF). A Quaresma é composta por três pilares fundamentais: a oração, o jejum e a caridade. A Campanha da Fraternidade tem como objetivo fortalecer o pilar da caridade, e de modo algum tem o objetivo de substituir este tempo tão importante para Igreja. Como explica Pe. Patriky Samuel Batista, secretário executivo de Campanhas da CNBB: “Desde a sua origem em 1964, ela tem como grande objetivo despertar a solidariedade dos seus fiéis e da sociedade em relação a um problema concreto que envolve a sociedade brasileira, buscando caminhos de solução, à luz da Palavra de Deus. É uma importante ação evangelizadora no horizonte da Doutrina Social da Igreja”. Neste ano a Campanha da Fraternidade tem caráter ecumênico e tem a intenção de levar toda a sociedade à reflexão sobre o tema desta edição. “O diálogo deve proporcionar uma mútua compreensão que visa a boa convivência, a superação dos conflitos tornando-se caminho para a construção da paz e da civilização do amor. Dialogar é conviver”, complementa Pe. Patriky.

Para onde vai a Coleta da Solidariedade?

Tendo em vista a necessidade de apoiar projetos realizados pelas Ações Sociais Paroquiais, Movimentos Sociais, Grupos de Economia Solidária, Pastorais Sociais, foi criado há 22 anos o Fundo Arquidiocesano de Solidariedade (FAS). O fundo é permanente, sendo composto pelos recursos da Coleta da Solidariedade da Campanha da Fraternidade, realizada no Sábado e Domingo de Ramos.

A proposta da criação do fundo solidário nas dioceses surgiu da proposta da Cáritas Brasileira e das Pastorais Sociais. No ano de 1998, durante a 36ª Assembleia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), foi aprovada a iniciativa. Também nesta assembleia ficou determinado que os fundos seriam distribuídos da seguinte maneira: 60% para compor os Fundos Diocesanos e 40% para o Fundo Nacional de Solidariedade.

O objetivo do Fundo Arquidiocesano de Solidariedade é apoiar iniciativas que apontem para a superação das estruturas de pobreza e injustiça, estimular e favorecer a construção de relações solidárias e não discriminatórias, favorecer a criação de projetos alternativos de geração de trabalho e renda e incentivar projetos sociais referentes aos temas da Campanha da Fraternidade de cada ano.

O FAS apoia duas frentes de trabalho: projetos sociais que são ligados à temática da Campanha da Fraternidade e/ou desenvolvidos por grupos e entidades que fortalecem a promoção da solidariedade e organização comunitária; e projetos de geração de trabalho e renda em que as iniciativas visam a organização de grupos, associações ou cooperativas que atuam na perspectiva de economia popular solidária.

Em seus anos de atuação, a Ação Social Arquidiocesana já apoiou mais de 300 projetos, através dos recursos do Fundo Arquidiocesano de Solidariedade. Estima-se que milhares de pessoas da Arquidiocese já foram beneficiadas.

Para ter acesso aos recursos disponibilizados pelo Fundo Arquidiocesano de Solidariedade, as instituições passam por um rigoroso processo de seleção. É necessário que os projetos inscritos respeitem todos os critérios estabelecidos nas regras do FAS. A análise dos projetos inscritos é realizada pelo Conselho Gestor, composto pelo Ecônomo da Arquidiocese, a Coordenação de Pastoral, a Ação Social Arquidiocesana e outros indicados a critério do conselho.

Outro critério utilizado para selecionar os projetos inscritos é a prioridade de apoio, que obedece a uma ordem de temáticas. São elas: conformidade com o tema da Campanha da Fraternidade do ano corrente; geração de Trabalho e Renda – Economia Popular Solidária (EPS); regiões e/ou áreas em situação de vulnerabilidade social ou em áreas de risco; formação para o exercício do controle social e políticas públicas e mobilização para a defesa e garantia de direitos. A análise dos projetos acontece quatro vezes ao ano, sempre na primeira semana dos meses de março, junho, setembro e dezembro. Mais informações no site: asafloripa.org.br.

1 Comentários, RSS

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*