tudoaver2No bairro Jardim Zanelato, em São José, um grupo de estudantes se empenham em mostrar o caminho para se construir uma pátria mais cidadã. “A partir do momento em que passo a fazer parte do processo político, eu posso fazer a diferença”, destaca o jovem Igor Santos, 17, aluno do 2º ano do ensino médio.

O Centro Social Marista, fundado no bairro há 19 anos, é o encarregado de incentivar estas iniciativas. O projeto “Protagonismo infanto-juvenil: construindo políticas emancipatórias” começou pelo tema da Campanha da Fraternidade de 2013 – Fraternidade e Juventude -, mas se efetivou no ano passado. “Nós nos reunimos e discutimos com os alunos sobre as questões sociais a fim de despertar neles a consciência política de que devem se envolver”.

Só neste ano, professores e alunos participaram de reuniões do Conselho da Criança e do Adolescente e do Conselho da Juventude, da cidade de São José. “É importante que a gente vá e lute por nossos direitos”, ressalta Bianca Voigt, 16 anos. “É bom ser ouvido”, complementa Igor.

“Eles têm muitas vezes aversão à palavra política, mas quando você leva eles num espaço onde podem falar e perceber que podem ser ouvidos, planta-se uma semente e isso muda o pensamento deles no futuro”, argumenta o assistente de pastoral, Cleber Rodrigues.

Não só os direitos, mas também os deveres são lembrados durante os encontros dos envolvidos no projeto. “Vale lembrar que todos nós temos responsabilidades”, justifica Cleber.

“Eu pensava antes que o colégio tinha muitos problemas, mas participando das conferências percebi que existem outras dificuldades também na sociedade e são até maiores”, detalhou o estudante do 9º ano do ensino fundamental, Mateus Candido, 15.

As palavras do fundador dos Maristas, São Marcelino Champagnat, “formar bons cristãos, virtuosos cidadãos”, ganham eco dentro da instituição que abriga mais 1.200 alunos. Formar neles um compromisso cristão na sociedade é uma saudável iniciativa que tende a gerar grandes frutos.

Matéria publicada na edição de setembro de 2015, do Jornal da Arquidiocese, página 07.

1 Comentários, RSS

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*