Contemplando o Coração de Jesus aprendemos que o ‘coração’ leva a olhar para a humanidade de Jesus, como Verbo feito carne e que veio habitar entre nós (Jo 1,14). Nos seus gestos, pode-se contemplar a solicitude de Deus pela humanidade, a sua proximidade a toda a pessoa, a prioridade da atenção aos mais pequenos, a fidelidade do amor, mesmo perante a recusa, o sofrimento e a morte. O Coração de Cristo exemplifica, de forma humana, o imperecível amor de Deus para com a sua criatura predileta, o ser humano, mas é, ao mesmo tempo, expressão do melhor que o ser humano pode ser, nas relações com os outros e com o Criador” (Carta do superior geral, Pe. José Ornelas de Carvalho, para a festa do SCJ, 13 de maio de 2010).

Estamos na escola do seu Coração, onde ele nos ensina quando diz em Mateus 11,29: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração”. Nesta escola aprendemos que o Coração de Jesus é como o Bom Pastor (Jo 10,1-10), que conhece, cuida, conduz e dá a vida pelas suas ovelhas; e é como a videira e os ramos (Jo 15,1-8) e por isso nos convida a permanecer no seu amor (Jo 15,9). Nela somos conduzidos à cruz para olhar aquele que transpassaram (Jo 19,37) e, vendo sair sangue e água (Jo 19,34), contemplar a força do amor que é capaz de dar a vida por seus amigos (Jo 15,13), e receber a força do Espírito Santo que nos ensina e recorda tudo (Jo 14,26).

Nesta escola do Coração de Jesus se realiza a profecia de Ezequiel 36,26-27: “Eu vos darei um coração novo e porei em vós um espírito novo; tirarei do vosso corpo o coração de pedra e vos darei um coração de carne. Infundirei em vós o meu Espírito e vos farei caminhar segundo as minhas leis, guardar e praticar os meus costumes”.

Pe. Diomar Romaniv, SCJ
Pároco da Paróquia São Luís Gonzaga, em Brusque

Reportagem publicada na edição de junho de 2020 do Jornal da Arquidiocese, página 8.

Seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios

*