(Criada a 23 de abril de 1844)

CNPJ 83.932.343/0040-28

Endereço    Rua João Pering, 254 Centro

88125-000 São Pedro de Alcântara – SC

Fone/Fax    (48) 3277-0109

E-mail    [email protected]

Expediente    de segunda a sexta, das 7h30 às 11h30

Pároco    Pe. Jorge Gelatti

Diáconos    Flávio Valmir Clasen

José Eugênio Pereira

Comunidades

 Padroeiro(a)                                                                                         Localidade                                     Criação

1    Matriz: São Pedro de Alcântara                                         Centro                                             1844

2    São João Vianney e Santa Filomena                               Santa Filomena                            1860

3    São Sebastião                                                                            Varginha                                        1944

4    Nossa Senhora de Fátima                                                   Barro Branco                               1958

 5    Santuário Senhor Bom Jesus da Santa Cruz           Colônia Santa Tereza                 2000

HISTORICO

Criada em 13 de Abril de 1844 (171 anos)

São Pedro de Alcântara, cujo nome é uma homenagem ao primeiro Imperador do Brasil foi a primeira agrovila de colonos europeus em solo catarinense. Situada a uns 35 quilômetros de Desterro (Florianópolis), foi fundada a primeiro de março de 1829. Nesta data, um domingo, José Silvestre dos Passos, o imperial medidor de terras e primeiro diretor da Colônia, anunciava a chegada dos primeiros colonos.

Mais tarde uma outra leva de colonos se fixou meia légua mais adiante, cujo local denominaram Santa Bárbara e onde, por volta de 1835, construíram uma Capela, pioneira na região e que, abandonada, ruiu pelos idos de 1915.

Destas comunidades partiram os colonos alemães para povoar Mondeo (Angelina) e Alto Biguassú (Antônio Carlos). Um recenseamento da Colônia feito em setembro de 1830 dava conta da existência de 652 pessoas, sendo 377 homens, 275 mulheres, num total de 154 famílias, 18 delas no Louro. Desde o início de sua colonização até a nomeação do primeiro Pároco, a população era atendida pelos Padres de São José, a cuja Paróquia pertencia.

Pela Lei Provincial n. 194, de 13 de abril de 1844, São Pedro de Alcântara é elevado à categoria de Freguesia e a 23 de abril à condição de Paróquia. Confirmada pelo Bispo do Rio de Janeiro, em visita pastoral à Província, em 1845, começando a funcionar em 1850, ficando ao encargo de Monsenhor Manoel Joaquim da Paixão que também cumulava a função de Vigário de São José.

Em 1846 chegava ao local uma segunda leva de colonos alemães. Segundo o historiados Aderbal João Philippi, por volta de 1860, foi construída uma nova Igreja Matriz, que deu lugar à hoje existente, cuja pedra fundamental foi lançanda mediante autorização da Cúria Metropolitana datada de 4 de setembro de 1926, tendo sido inaugurada por ocasião dos festejos do Centenário da Colônia em 1929.

De 1872 a 18 de julho de 1883 a Paróquia foi atendida por Frei Wilhelm Röer OFM. Em 21 de dezembro de 1950 a Igreja Matriz, cuja construção foi iniciada em 5 de novembro de 1926 e terminada quatro anos mais tarde, foi solenemente consagrada.

Em 10 de setembro de 1958 a Cúria Metropolitana aprova o projeto de uma nova Casa Paroquial, solenemente inaugurada, em cerimônia presidida pelo Arcebispo Metropolitano no dia 21 de junho de 1959. A Casa Paroquial antiga passou a abrigar uma Enfermeira Obstetra, que instalou uma pequena maternidade. Durante os anos de 1961 e 1962 novamente a Paróquia ficou sem Pároco próprio, sendo atendida pelos Frei Osório Stoffel OFM e Osmar Müller OFM, na condição de Encarregados. Em 1994 os anseios da comunidade foram atendidos e, após homericas discussões e, inclusive, contendas judiciais, a Assembléia Legislativa do Estado aprovou a criação do Município de São Pedro de Alcântara, através da Lei n. 9.534, de 16 de abril. A 3 de outubro aconteceram as primeiras eleições para Prefeito e Vereadores, sendo o Município solenemente instalado a primeiro de janerio de 1997.

A matriz é obra de grande beleza, com altar esculpido em madeira. Abriga várias imagens sacras bem trabalhadas. Sua cúpula, de grande altura, remete à basílica de São Pedro, no Vaticano. Fica numa elevação de onde se tem excelente vista de todo o centro da cidade. No pátio da Igreja estão sepultados os párocos. Está sempre aberta a visitação e é muito bem conservada, foi restaurada em 1979.