(Criada a 29 de maio de 1854)

CNPJ 83.932.343/0035-60

Endereço: Praça São Francisco de Assis, 50 Centro

88140-000 Santo Amaro da Imperatriz – SC

Caixa Postal 11 / Fone/Fax: (48) 3245-1116

E-mail: [email protected]

Facebook: Paróquia Santo Amaro

 

Expediente: de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h30 às 17h30

sábado, das 8h às 12h

Secretárias: Karine da Cunha Rios / Luana Krautz Rosa

Aux. Contab.: Paulo Roberto Coelho

 

Pároco: Pe. Frei Daniel Dellandrea, OFM

Vigários:  Pe. Frei José Boeing, OFM

Pe. Frei Nilton Decker, OFM

 

Diáconos: Alcides Francisco Folster / Almir Francelino Gonçalves

Isolino Kraus / João Antônio da Rosa

Joel Steinbach / José Lino de Pinho

José Pedro da Silva / Maurino Zimmermann

Osmar Pedro Pfleger / Osmar Theisges

Osni Pedro Jasper / Osvaldo Prim

Paulo César Turnes / Pedro José Espíndola

Pedro Paulo do Carmo / Quirino Pfleger

Rogério Lourenço de Souza / Tomaz José de Matos

Vilson Alfredo de Freitas / Wilibaldo Kirchner

 

Comunidades

Padroeiro(a)                                                                                            Localidade                                       Criação

1    Matriz: Santo Amaro                                                                Centro                                                 1854

 2    Nossa Senhora da Glória                                                      Loeffelscheidt                                   1843

 3    Santa Teresinha                                                                      Vargem Grande                                 1846

4    Santa Teresa D’Ávila                                                             Teresópolis                                          1862

5    Sagrado Coração de Jesus                                                  Águas Mornas                                    1898

6    Nossa Senhora de Lourdes                                                Lourdes                                                1911

 7    Santa Isabel                                                                            Santa Isabel                                          1917

8    São José                                                                                    Vargem do Braço                               1925

9    Senhor Bom Jesus                                                               Bom Jesus                                           1938

10    Santa Luzia                                                                           Pagará                                               1944

11    Nossa Senhora das Dores                                             Combatá                                               1948

12    Nossa Senhora de Lourdes                                         Gruta da Varginha                              1954

13    Sant’Ana                                                                              Sertão                                                     1962

14    Nossa Senhora de Lourdes                                        Gruta do Velacho                                 1963

15    Nossa Senhora Aparecida                                          Varginha                                               1964

16    Santa Cruz                                                                         Santa Cruz da Figueira                     1968

 17    São Sebastião                                                                 Sul do Rio                                               1972

18    Cristo Ressuscitado                                                    Ressurreição                                           1974

19    Nossa Senhora da Rosa Mística                           Caldas                                                       1981

20    São Francisco de Assis                                             São Francisco                                        1985

 21    Nossa Senhora de Fátima                                       Taquara                                                 1991

22    São Pedro                                                                      Calemba                                                  1994

23    São João Batista                                                        Braço São João                                      2006

HISTORICO

Criada em 29 de Maio de 1854 (161 anos)

Arraial do Cubatão, foi denominado o arraial que começou a ser formado por famílias que emigraram do litoral e das Freguesias de São José e Enseada de Brito, no princípio do Século XVIII, com a finalidade de estabelecer um entreposto comercial com a região serrana. O embrião inicial foi crescendo, pois havia a necessidade de se produzir farinha, açúcar e outros gêneros alimentícios de natureza agrícola, procurados pelos comerciantes da região serrana. Mais tarde fixaram-se no arraial cerca de 30 famílias de alemães, que se retiraram da Colônia de Teresópolis.

Pelos anos de 1832 a 1839 foi levantada uma Capela em honra a Sant’Ana, no lugar denominado “Morro da Tapema”. Foi nesta Capela que, em outubro de 1845, os Imperadores do Brasil foram festivamente recebidos e onde foi cantado solene “Te Deum”, oficiado pelo Vigário de São José Padre Macário de Alexandria e Souza.

Em 1850, encontrando-se a Capela de Sant’Ana em precárias condições, foi iniciada a construção de uma outra, no mesmo local, que veio a ser a igreja matriz.

A povoação permaneceu na condição de Arraial, até 29 de maio de 1854, quando, pela Lei Provincial nº 371, foi elevada à categoria de Freguesia, com a conseqüente criação de Paróquia, sob a invocação de Santo Amaro. Serviu de igreja matriz a então Capela de Sant’Ana existente no Arraial. Por esta Lei foram também fixados os limites da nova Paróquia, desmembrada da Paróquia de São José, como sendo: “a foz do Rio do Braço e morro do Balthazar ao Norte, e deste em direção ao morro do Pagará, seguindo até o da Taquara ao Oeste”. Por Decreto de 15 de Março de 1856, nº 403, os limites anteriores foram ampliados, compreendendo também o território do lado d’oeste do rio denominado Braço São João, desmembrado da freguesia de Enseada de Brito”.

Com o intuito de atender os imigrantes católicos alemães, em 1861, fixou residência em Teresópolis, hoje pertencente à Paróquia de Santo Amaro, Frei Guilherme Roer OFM, dando início à primeira comunidade Franciscana em Santa Catarina. Pela Lei Provincial nº 628, de 11 de junho de 1869, era criado o Curato de Teresópolis. A partir dali foram, por longos anos, atendidos os católicos, principalmente alemães, residentes nas regiões que, passando por Rancho Queimado, São Bonifácio e Anitápolis, iam até Braço do Norte e São Ludgero, no sul do Estado. Em 10 de julho de 1891, para cá voltaram os Padres Franciscanos, em Santa Catarina, de onde partiram para reativar e criar comunidades Franciscanas pelo Brasil, o que se convencionou chamar “Restauração das antigas Províncias da Imaculada Conceição (Sul do Brasil) e Santo Antônio (Norte do Brasil)”, praticamente inativas graças à política anti-religiosa do Império.

Através do Decreto 184, de 24 de abril de 1894 que cria o Município de Palhoça, Santo Amaro é desmembrada de São José para, juntamente com a Enseada de Brito, formar o recém criado Município.

A partir de 1890 a Paróquia de Nossa Senhora do Rosário, de Enseada de Brito, passou a integrar o território da Paróquia de Santo Amaro, situação que se manteve até 1967, quando foi criada a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, de Paulo Lopes.

Em maio de 1900 os Padres Franciscanos assumiram definitivamente a Paróquia.

A atual igreja matriz, que teve sua construção iniciada em 1907, foi inaugurada e solenemente consagrada a 12 de novembro de 1911, em cerimônia presidida pelo Bispo Diocesano Dom João Becker e que contou com a presença do Governador do Estado.

Em 1930, Frei Clemente Tambosi OFM, pedia “licença para ampliar a Residência dos P.P. Franciscanos, por ser a actual muito apertada, ligando-a com a nova ala da Igreja Matriz”.

Em 08 de abril de 1921 a Paróquia de Santo Amaro cede parte de seu território para a criação da Paróquia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, de Angelina.

Em 1924 foi substituído o altar mor da igreja matriz, uma vez que o antigo se encontrava totalmente destruído pelo cupim.

Até chegar à atual denominação, Santo Amaro da Imperatriz, o então Arraial do Cubatão foi conhecido como: Arraial de Sant’Ana do Cubatão, em homenagem à sua Padroeira, nome que conservou até 1943. Neste ano, passou a ser conhecido como Cambirela, até que, em 1949, recebeu a atual denominação: Santo Amaro da Imperatriz.

Pela Lei nº 344, de 6 de janeiro de 1958, Santo Amaro da Imperatriz é elevado à categoria de Município, com território desmembrado do Município de Palhoça.

A partir 1992, sob a coordenação de Frei Tarcísio José Schuch OFM, primeiramente a Casa Paroquial e, posteriormente, a Igreja Matriz, passaram por uma reforma geral que foi desde a substituição dos pisos e dos telhados, até uma remodelação dos ambientes e instalação de sinos no campanário da igreja.