(Criada a 13 de junho de 1966)

CNPJ 83.932.343/0018-60

Endereço    Rua João Mota Espezim, 1023 Saco dos Limões

88045-400 Florianópolis – SC

Fone/Fax    (48) 3333-5016

E-mail  [email protected]

Site  www.boaviagem.org.br

Facebook  www.facebook.com/paroquiaboaviagemfloripa/

 

Expediente

Segunda-feira: das 13h às 19h

De terça a sexta: das 08h às 12h e das 13h às 19h

Sábado: das 8h às 12h

Secretárias: Rosânia Gonçalves / Sandra Meira

Pároco: Pe. Frei Anderson Lúcio ROsa, O.Carmo

Vigário Pe. Frei João Nilson Dantas Barbosa, O.Carm

Diáconos: José Antônio Schweitzer

Pedro Carbonera

Comunidades

Padroeiro(a)                                                                                                Localidade                                       Criação

1    Matriz: Nossa Senhora da Boa Viagem                               Saco dos Limões                                1966

2    São Pedro Apóstolo                                                                      Costeira do Pirajubaé                      1915

3    Santa Rita de Cássia                                                                     Carianos                                             1930

4    São José Operário                                                                         Costeira do Pirajubaé                      1982

5    Nossa Senhora do Rosário                                                         Caeira                                                1990

 6    Senhor Bom Jesus                                                                        Cachoeira do Rio Tavares            1995

7    Santa Catarina de Alexandria                                                  Ressacada                                        1995

8    Nossa Senhora Aparecida                                                         Morro do Limoeiro                       1996

HISTORICO

Criada em 13 de Junho de 1966 (49 anos)

A Capela de Nossa Senhora da Boa Viagem no Saco dos Limões

1. Licença do Exmo Sr. Bispo Diocesano:

Dom José de Camargo Barros, por mercê de Deus e da Santa Sé Apostólica, Bispo da Diocese de Curitiba etc. Aos que esta nossa provisão virem, saúde e bênção no Senhor.

Fazendo saber que atendendo ao que nos apresentou o Reverendo Pe. Francisco Topp, vigário da Paróquia Santíssima Trindade:

Havemos por bem pela presente, conceder licença para que no lugar de Saco dos Limões, se possa erigir e fundar uma Capela sob a invocação de Nossa Senhora da Boa Viagem, contanto que seja em lugar alto, livre de umidade, desviado quanto possível de lugares imundos e casas particulares e que tenha âmbito em volta para passarem procissões, devendo ser o lugar para tal fundação assinada pelo Revdo. Vigário encarregado da paróquia, a quem autorizamos para benzer a primeira pedra do edifício na forma do Ritual Romano. Na mesma capela não se poderão celebrar ofícios divinos sem nova provisão nossa, precedendo informação paroquial de achar-se ela, provida de paramentos e alfaias precisas e habitada com o competente patrimônio. Esta será apresentada ao Revdo. Pároco respectivo que o registrará integralmente no Livro Tombo da Matriz, para a todo o tempo constar. Dada e passada na Câmara Episcopal de Curitiba, aos 29 de novembro de 1902, sob o nosso sinal e Selo de nossas Armas. E eu o Pe. Francisco Arling, Secretário do Bispado, o escrevi.

José, Bispo Diocesano
Custas 24$000 (pg)

2. Provisão Nomeando a comissão de obras:

Dom José de Camargo Barros, por mercê de Deus e da Santa Sé Apostólica, Bispo Diocesano de Curitiba.

Aos que esta nossa provisão virem saúde e bênção no Senhor. Fazemos saber que atendendo ao que nos apresentou o Revmo. Pe. Francisco Topp, vigário da Paróquia Santíssima Trindade neste bispado: Havemos por bem pela presente nomear uma comissão composta dos cidadãos: Pe. Francisco Topp, como Presidente; José da Costa Ortiga, como Tesoureiro; Francisco Firmo de Oliveira, como Secretário e como membros: Joaquim Firmo de Oliveira, Antônio Mota Espezim, Francisco José Pereira, José Camarieri e Manoel Inácio Vieira, afim de que possam, enquanto não mandarmos o contrário, promover a construção de uma Capela, no lugar denominado Saco dos Limões da mesma Paróquia.

Para este fim, poderão agenciar donativos e promover sob inscrições, devendo ter os livros de receitas e despesas, além dos que forem necessários e que serão abertos pelo Revmo. Pároco, para a oportuna prestação de contas perante nós, ou perante o sacerdote por nós comissionado ad hoc. Esta será registrada integralmente no Livro Tombo da Paróquia e no livro de atas da mesma comissão. Dada e passada na Câmara Eclesiástica de Curitiba sob o nosso sinal e Selo de nossas Armas, aos vinte e nove dias do mês de novembro do ano de mil novecentos e dois. E eu, o Pe. Francisco Arling, Secretário do Bispado, a escrevi.

José, Bispo Diocesano.
Grátis.

3. Licença para Benzer a Capela:

Exmo. e Revmo. Senhor o Pe. Francisco Topp, vigário interino da Paróquia da Santíssima Trindade, vem respeitosamente pedir a Va. Excia. Revma. digne-se a dar-lhe a licença de benzer a nova Capela de Nossa Senhora da Boa Viagem, a qual acaba de ser construída no lugar denominado Saco dos Limões na mesma Paróquia Santíssima Trindade. A nova Capela foi construída de tijolos, tendo o comprimento de 12 metros e a largura de 9 metros, capela-mor com 5 metros de comprimento, altar, sacristia e os necessários paramentos e as alfaias para a celebração da Santa Missa.

E. R. M. Desterro, 26 de janeiro de 1904. O Vigário Pe. Francisco Topp.

4. Benzimento da Capela:

“A Verdade”, jornal católico do Desterro, publicou, no número 69 de 27 de março de 1904, o seguinte relatório:

“Nossa Senhora da Boa Viagem, Capela no Saco dos Limões”. Há cerca de 30 anos, diversas pessoas residentes no apreciável arrabalde de Saco dos Limões, pretenderam construir ali uma capela, que infelizmente não passou dos alicerces e de uma ou outra parede, que a ação do tempo deixou em completa ruína. Graças porém, aos esforços dos Srs. Ver. Pe. Francisco Topp, Francisco Firmo de Oliveira, José da Costa Ortiga, Joaquim Firmo de Oliveira, Manoel Inácio, Francisco Pereira e José Camarieri, que se constituíram em comissão, a idéia outrora levantada, tornou-se em realidade, demonstrando assim, que a benção de Deus se estendeu à ação dos dedicados senhores citados, que, força é confessar, não pouparam fadigas, enquanto não viram prontificada a Capela, cuja padroeira é Nossa Senhora da Boa Viagem, a 13 do corrente, realizou-se com o maior brilhantismo a benção e entrega ao culto da referida capela. Abriu a festa a procissão da imagem de Nossa Senhora da Piedade, a qual partiu do lugar José Mendes, conduzida em um belo andor, por gentis senhoritas vestidas de branco, trazendo a tira colo, faixas azuis com as iniciais da padroeira da nova capela. Grande concorrência de fieis compareceu a esse ato. Chegada a procissão à Capela, realizou-se o benzimento do novo templo, pelo Revmo. Pe. Francisco Topp, vigário desta Paróquia. Seguiu-se a missa solene, celebrada pelo mesmo Rev. Vigário, servindo de Diácono e sub-Diácono os Revdos. Padres Antônio Tertilt e Henrique Meller. Ao Evangelho, pregou o Revmo. Pe. Manfredo Leites cuja oração foi um brilhante pan da padroeira da nova capela. Organizada e dirigida pela Exma. Sra. Dona Maria Belisária de oliveira, a musica do côro muito concorreu para o brilhantismo da festa. Constituíram-se na Exma. Sra. Dona Maria Eugênia da Cidade e as senhoritas Eglastina de Oliveira, Sinhasinha Oliveira, Cilóca Domingues, Glória Silva, Leonie e Leonina Lapagesse, auxiliadas pelos Srs. Venceslau Bueno, João batista Oliveira, Luiz Carvalho, Hermínio Jaques e Raymundo Bridon. Abrilhantaram os diversos atos da festa, as músicas Amor à Arte e do Corpo de Segurança.

A noite rezou-se uma ladainha e continuou o leilão que se realizou depois da missa, em favor das obras que ainda carece a Paróquia. Na Capela destaca-se o altar-mor, cuja pintura dá-lhe muito realce. Nele se acha colocado o quadro representando Nossa Senhora da Boa Viagem, trabalho do Sr. Joaquim Margarida. Há mais dois pequenos altares laterais: no do lado direito, vê-se a imagem de Nossa Senhora da Piedade, em madeira, feita pelo Sr. César San Luna; no do lado esquerdo está colocado um quadro, em oleografia, representando a assunção de Nossa Senhora, oferta do Sr. Joaquim Margarida. Na sacristia há uma cômoda, oferta da Exma. Sra. Dona Luiza Silveira. Sobre esse móvel, foi colocado um oratório, oferecido pelo Sr., José Costa Ortiga. No oratório vê-se um quadro à óleo, Representando Nossa Senhora da Boa Viagem, trabalho do Sr. Eduardo Dias.

5. Termo de Benção da Capela

No dia treze de março de mil novecentos e quatro, em virtude da Provisão do Exmo. Sr. Bispo Diocesano, Dom José de Camargo Barros, na assistência dos Revmos. Pe. Antônio Tertilt e Henrique Meller e de uma grande massa popular, segundo o Ritual Romano, imperti a benção à Capela de Nossa Senhora da Boa Viagem, construída no lugar denominado Saco dos Limões, nesta Paróquia da Santíssima Trindade. O vigário Pe. Francisco Topp.

6. Despesas para a obra

Todas as obras da Capela Nossa Senhora da Boa Viagem, além de muitas ofertas gratuitas de material, custaram a quantia de 5:022$810.

 

Dados Históricos da matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem em Saco dos Limões – Florianópolis

1. Início da Abertura do Fundamento

Dia 26 de março de 1960, sábado, às 16,00 horas, deram-se as primeiras picaretadas, ao pocar de uns foguetes: Osvaldo Goulart, José Patrocínio da Costa, Acácio Antônio da Costa, Moacir Borges, Frederico Geraldo Fenner, Valdir Schmidt e o Pe. Francisco de Sales Bianchini.

2. Pedra Fundamental

Dia 29 de maio de 1960. Foi mais uma festa simbólica, pois já estava quase concluída a sacristia e parte do presbitério. A pedra com urna, moedas e jornais do dia, está no ângulo interno, debaixo da escada do coro.

3. Primeira Missa

Com a igreja praticamente pronta, faltando apenas piso, pintura e torre. Dia 28 de outubro de 1962. Festa de Cristo Rei e 1a Comunhão de 46 crianças. Belíssima Festa! Desde este dia todas as funções religiosas são realizadas na Matriz. O barracão ex-igreja, funciona como barraca de festas.

Dia 04 de novembro de 1962 – Festa de Nossa Senhora da Boa Viagem – Maravilhosa! Foram Festeiros os seguintes casais:
– Sr. Belmonte Miranda e Exma. Senhora
– Dr. Odemir Faísca e Exma. Senhora
– Dr. Cantalício Dionísio Siqueira e Exma. Senhora
– Sr. Ilton Steingräber e Exma. Senhora

4. 1o Batizado na Nova Matriz

Dia 24 de novembro de 1962, sábado, às 16,00 horas
– Criança: Ivana – nascida em 11 de outubro de 1962
– Pais: Ivan Wiethorn e Marli Wiethorn
– Padrinhos: Hildebrando Pereira e Hilda Coelho Pereira
– Celebrante: Pe. Francisco Sales Bianchini.

5. Festa da Inauguração da Igreja

08 de setembro de 1963, domingo, festa da Natividade de Nossa Senhora. Houve nove noites preparatórias com Santa Missa e Pregação, às 19,30 horas e em seguida barraquinhas. Pregadores: além do vigário, Pe. Quinto Dair Baldessar, Pe. Felizardo Cardoso s.f., Pe. José Edgard de Oliveira, Frei Alberto de Jaraguá do Sul O.C.

6. Dia da Festa

Na véspera, sábado, dia 7, ao meio dia, todos os moradores soltaram foguetes. Dia 8, domingo, às 7 horas rezei missa para os paroquianos fora da igreja, atrás, entre a igreja e o morro. Às 9 horas, recepção ao Exmo. Sr. Dom Joaquim Domingues de Oliveira, DD. Arcebispo Metropolitano, e ao Exmo. Sr. Celso Ramos, DD. Governador do Estado, acompanhado de sua Exma. Esposa Dona Edite Gama Ramos. A banda de música da Polícia Militar, saudou as autoridades. Aporta principal e longitudinal, fiz breve saudação às autoridades, pedindo ao finalizar, que o Sr. Arcebispo cortasse a fita de abertura. Sua Excia. pediu ao Sr. Governador que desatasse a fita. Abriu-se a porta sob os aplausos do povo, música e espocar de fogos de artifício. No trono, sua Excia. fez a benção simples da igreja, em seguida o vigário geral, Mons. Frederico Hobold, celebrou a Santa Missa. O coro da Catedral cantou. Ao Evangelho falou o Sr. Arcebispo. Após a Santa Missa o Sr. Governador e o Sr. Arcebispo partiram. Às 14 horas o Sr. Arcebispo voltou e administrou a Santa Crisma a 680 crismantes, logo após, partiu. Veio uma lotação de Tijucas, acompanhada de seu Vigário Mons. Augusto Zucco, O dia todo houve barracas, churrascos, bebidas, prendas, etc. às 23 horas, grande queima de fogos. Renda líquida da festa: Cr$ 1.115,000. À noite do dia 8 às 20 horas, dei a primeira benção solene, com o Santíssimo Sacramento. A igreja estava engalanada com faixas vermelhas e amarelas, que pendiam do centro do forro para as janelas. O pátio todo enfeitado com festões, bandeirolas, bambus, etc. A igreja tem 80 bancos completos de 3 metros cada, de canela, feitos em Brusque. Preço: Cr$ 10.000 cada banco. Mais quatro bancos, só genuflexórios a Cr$ 8.000 cada um. Total do preço dos bancos: Cr$ 832.000. O governo do estado ajudou com Cr$500.00. Toda mão de obra da igreja, foi gratuita: operários do Estado e da Prefeitura. Apenas um servente o Sr. Nelson, que a igreja pagou durante 18 meses. Rifa de um carro Volkswagen – pró construção – Renda líquida Cr$4.366.000. Preço do carro: Cr$2.108.000. Padre residente em Saco dos Limões: dia 26 de janeiro de 1962 o Pe. Francisco de Sales Bianchini, veio morar na casa do Sr. Acácio A. Costa, Rua Aldo Alves, s/n, uns 100 metros além do canto. O Sr. Acácio foi morar com o sogro ao lado da casa dele e cedeu gentilmente a casa ao padre, que morou naquela casa até o dia 24 de junho de 1964, quando mudou-se para a casa n º 357, à rua João Motta Espezim, do Sr. Ademi Pereira de Abreu.

Doações:
– Sacrário e Trono do Santíssimo – Cr$ 136.000 – Nilo Bianchini
– Crucifixo, esculpido pelo Sr. Ludovico Lengerd (alemão) Cr$125.000 – Érico Bianchini
– Cálice de pé triangular – Cr$ 17.000 – Prof. Tito Lívio de Bem Menezes
– Cibório dourado – Cr$ 18.000 – Prof. Yvone Cristoval.
– Turíbulo – Cr$ 8.000 – Sr. Prefeito Osvaldo dos Passos Machado
– Todos os castiçais foram feitos pelo Sr. Frederico Geraldo Fenner.

Solene benção da Via Sacra, dia 2 de abril de 1965, às 19,30 horas pelo Revmo. Mons. Frederico Hobold, Vigário Geral da Diocese.

Comunhões Pascais:
– Dia 21/03/1965 – das senhoras e Mães – 390.
– Dia 28/03/1965 – das moças – 380.
– Dia 04/03/1965 – dos homens e moços – 410.

Dom Afonso Niehues, por mercê de Deus e da Santa Sé Apostólica Arcebispo Coadjutor e Administrador Apostólico

Aos que este nosso Decreto virem, saudação, paz e benção em nosso Senhor Jesus Cristo. Fazemos saber que, atendendo às necessidades espirituais dos bairros Saco dos Limões, Costeira e José Mendes, desta capital, tendo ouvido o parecer do Cabido Metropolitano e mais partes interessadas, em virtude de nossa Jurisdição Ordinária e de acordo com os can. 454 do Direto Canônico: Havemos por bem erigir, criar e constituir, como de fato pelo presente nosso decreto erigimos, criamos e constituímos a Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, em Saco dos Limões, desmembrando a sua formação territorial, dos territórios das Paróquias da Catedral e de Trindade. A linha divisória, começando na volta do Madaloni (conhecido como Clube do Penhasco) segue pelos cumes dos morros até o da Cruz, daí descendo pelos altos dos morros de Caeira e Carvoeira, passa pela rua do Pantanal no Pontilhão, chamado Cati-Coco, seguindo em linha reta até o alto do morro Rio Tavares, descendo segue pelas margens do Rio Tavares até a desembocadura na Baía Sul, no caminho da Base Aérea onde se encontra uma ponte.

A Paróquia de Nossa Senhora da Boa Viagem será provida de Pároco próprio, a cuja jurisdição submetemos todos os habitantes de seu território, e gozará de todos os direitos como as demais paróquias da Arquidiocese.

Aos fiéis caberá a obrigação de não somente acatar o ensino e a orientação do Pároco, mas também colaborar com as obras espirituais e materiais da Paróquia, empreendidas por ele. Desde já, aprovamos o instituição do sistema de arrecadação, conhecido pelo nome de “centésimo” o qual servirá para a manutenção do culto e progresso da paróquia.

A igreja Matriz deve ser provida do necessário para a celebração do Santo Sacrifício da Missa e demais funções religiosas. O pároco por nós nomeado, celebrará a “Missa pro populo”, instituirá a catequese em todas as escolas e localidades que ministrará por si, ou pelas professoras e catequistas, sob a sua orientação e inspeção, e segundo as linhas da Pastoral traçadas pela Arquidiocese, fomentará o apostolado leigo, de acordo com as normas e o espírito do Concílio.

O arquivo Paroquial que por este decreto criamos deverá ter todos os livros prescritos. Este nosso decreto será lido aos fiéis da nova paróquia à estação da Missa Paroquial, e integralmente transcrito no Livro de Tombo, e comunicado aos párocos limitrafes.

Dado e passado em nossa Cúria Metropolitana de Florianópolis, sob o sinal e selo das nossas Armas, aos 13 de junho de 1966.

Afonso Niehues.
Administrador Apostólico.

*TEXTO EXTRAÍDO INTEGRALMENTE DO LIVRO TOMBO DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM.